Scania realiza sexta edição da competição de Melhor Motorista de Caminhão do Brasil este ano

DSC00056

O objetivo do evento é promover a capacitação e profissionalização do motorista de caminhão, ressaltando seu papel de cidadão e de promotor de um transporte mais seguro e sustentável. 

No ano passado, a competição de Melhor Motorista de Caminhão do Brasil (MMCB), promovida pela Scania, completou 10 anos. O evento ajudou a massificar por todo o ciclo do transporte a valorização da profissão de condutor de caminhão e a importância da capacitação. Desde seu início, o MMCB vem ajudando o transporte rodoviário de cargas a se tornar mais profissional, seguro, eficiente e menos poluente.

Após cinco edições (2005, 2008, 2010, 2012 e 2014), a Scania já recebeu quase 175 mil inscrições, realizou 91 etapas regionais e ofereceu gratuitamente 38 mil horas de treinamento a profissionais de diversas idades, bem como de variado tempo de experiência e de diferentes realidades (tanto no aspecto sociocultural como no econômico) e de categoria (motorista autônomo, agregado, empregado de transportadora, desempregado e instrutor). Os candidatos são avaliados por testes teóricos e provas práticas.

Neste ano a montadora promoverá mais uma edição da competição e Chico da Boleia foi até São Bernardo do Campo para conversar com Marcio Furlan, um dos organizadores do evento.

Furlan destacou que o objetivo principal da competição segue sendo o de treinar e capacitar os motoristas para que eles possam promover um transporte cada vez mais sustentável a nível nacional. Para a Scania, o motorista é uma figura chave, o que também justifica seu investimento em produtos e serviços direcionados para sua profissionalização.

Sobre a participação dos caminhoneiros, Furlan explicou que houve um crescimento um grande de inscritos desde a primeira edição da competição. “Em 2005 tivemos cerca de 11 mil inscritos, já em 2014 fechamos as inscrições com um número de 67 mil participantes. Para este ano esperamos que possamos manter esse número”, afirmou.

Quanto às provas escolhidas para serem aplicadas aos candidatos, Márcio apontou que a equipe organizadora busca identificar o que está acontecendo no trecho e levar para a competição situações reais vividas pelos caminhoneiros.

“Como é uma competição global, nós também nos inspiramos no que acontece no mundo. Mas a gente está preparando uma dinâmica de provas, de capacitação, de treinamento para o motorista, bastante atualizada para 2016”, explicou.

Mais do que o número de inscritos, a Scania preza pelo nível de aproveitamento que os caminhoneiros tem durante a competição. Ou seja, durante os treinamentos práticos e teóricos, o que se busca é que o motorista tenha acesso, de fato, ao conteúdo, à informação, e possa tomar consciência do seu papel de profissional e cidadão.

Tendo em vista que a competição acontece em outros países, Chico da Boleia perguntou sobre a possibilidade de realizar um evento que reúna os melhores de cada país. “Na Europa isso já acontece, e a gente tem discutido a possibilidade de avançar com o evento na América Latina. No nosso caso, o Brasil e a Argentina já trabalham com a competição, então precisamos que nossos colegas chilenos, peruanos, colombianos também promovam o evento para termos quórum para uma possível competição entre países.”, respondeu Furlan.

O responsável também frisou que o interesse em colaborar com a competição mobilizou boa parte da cadeia do transporte rodoviário de cargas. Nesse sentido, postos, fabricantes de peças e implementos, prestadores de serviços, associações de classes, transportadoras e também embarcadores tem se envolvido juntamente com os caminhoneiros na promoção da educação e da segurança.

“A profissionalização do setor, a necessidade do segmento de desenvolver a profissão, somado a esses esforços da Scania fez com que todo mundo passasse a olhar de forma diferente para o motorista”, concluiu.

História

A competição entre motoristas de caminhão que valoriza a profissão, capacita o motorista para uma condução mais segura e eficiente nasceu na Suécia. Em 2003, com objetivo de atrair o jovem para a profissão, a Scania criou a competição, que foi realizada unicamente na Europa. Em 2005, a ação foi expandida para outros mercados – Brasil, Argentina, África do Sul e Taiwan. Foram inscritos 34 mil motoristas globalmente, 11 mil apenas no Brasil. Na última edição, em 2014, 85 mil pessoas se inscreveram no mundo, das quais 65 mil do Brasil.

“O MMCB é uma competição mundial, mas adaptamos o conceito para nossa
realidade. Na primeira edição desbravamos um cenário inédito para o mercado e transpusemos fronteiras culturais. Ao longo dos anos fomos criando ou aumentando a consciência da importância da capacitação para os motoristas e massificando a valorização da profissão na sociedade e demais públicos”, afirma Rodrigo Machado, coordenador da competição Melhor Motorista de Caminhão do Brasil (MMCB). “Comemorar esses 10 anos significa uma soma de vários sentimentos – alegria, satisfação, orgulho – e o desejo de ambicionar mais e mais. Ainda temos muito a fazer.”

Machado relembra alguns casos marcantes da competição. “Houve campeão que estava desempregado quando se inscreveu, arrumou emprego e hoje já tem dois caminhões. Virou empresário. Houve competidor que treinou pelo computador, pois estava afastado. Finalista que foi reconhecido pela empresa e virou instrutor e palestrante. Além de relatos de mudanças sociais, profissionais e de hábitos de milhares de motoristas.”
O trabalho do MMCB tem o objetivo de ser constante, pois treinamento é o futuro da profissão de motorista. Apesar de mais de 60% das cargas movimentadas no Brasil serem transportadas por caminhões, o setor carece de profissionais qualificados.

De acordo com a Fundação Adolpho Bósio de Educação no Transporte (Fabet), os motoristas que passaram pelas três fases do MMCB estão capacitados a reduzir em até 15% o consumo de combustível, em 40% as trocas de marchas, em 50% o número de frenagens, além de economizar 10% dos pneus. Outras estatísticas indicam que a conscientização pode diminuir em até 47% o índice de acidentes.
A Scania prioriza contribuir para o transporte sustentável oferecendo soluções de transporte que reduzam emissões de CO2. Para criar um ciclo sustentável consistente, a Scania acredita numa tríade formada por veículo, motorista e serviços disponibilizados.

A evolução do MMCB

2005 – Primeira edição já teve apoio de instituições como Sest-Senat, Polícia Rodoviária Federal e NTC&Logística. Foram mais de 11 mil motoristas inscritos, 12 etapas e 12 finalistas. O campeão foi Marco Simioni, de Concórdia (SC).

2008 – Aproximação com os frotistas para comprovar os benefícios de conscientização, qualificação e valorização do profissional. Mais de 21 mil condutores se inscreveram, houve 12 etapas regionais, 12 finalistas. O vencedor foi Roberto Octaviani, de Oswaldo Cruz (SP).

2010 – Mais de 28 mil inscrições, 15 etapas regionais com 30 finalistas. O melhor dos 28 mil foi Fernando Pitanga, de Salvador (BA).

2012 – Cada vez mais popular na cadeia de transportes. Novo recorde de inscritos (47 mil) e maior número de apoiadores e patrocinadores. Na grande final, após 12 etapas, um gaúcho com nome de poeta, Vinicius de Moraes, de Sertão, venceu 23 oponentes.

2014 – Edição histórica: mais de 67 mil inscritos. Pela primeira vez, embarcadores se juntaram à ação como parceiros. Todo o ciclo do transporte já está envolvido com o MMCB. Após 14 etapas regionais e 28 finalistas, outro gaúcho levou a melhor. Depois de participar das finais de 2010 e 2012, Eliardo Locatelli, de Carazinho, realizou o sonho de se tornar o campeão.

Redação Chico da Boleia

Comentarios