Qual o custo de ter o caminhão parado para carga e descarga?

Ficar com o caminhão parado, esperando pela descarga, é um acontecimento indesejado para qualquer motorista. Além de atrasar o itinerário, esse fato também pode causar prejuízos diversos.

Você sabe como calcular o custo dessa parada? Mais que isso, que o valor perdido com esse atraso pode — e deve — ser ressarcido? São esses assuntos que vamos mostrar no post de hoje.

Quais os problemas de ficar parado?

Quem trabalha com transporte de cargas sabe que o tempo de descarga e, mais importante, a espera na fila de caminhões para que o descarregamento seja feito são cruciais no custo total do frete.

Basicamente, quanto mais tempo o caminhão fica parado esperando, mais custos o prestador do serviço vai acumular. Afinal, as horas acumuladas na espera podem se converter em alterações de itinerário, horas extras e até entregas fora do prazo.

É muito importante entender como equilibrar essa situação. Por isso, vamos mostrar o que a Lei garante ao transportador nesses casos e ensinar a calcular o valor a ser cobrado pelo tempo excessivo de espera.

Quanto tempo o caminhão pode ficar parado?

Para o transportador, quanto mais rápido o caminhão for carregado/descarregado melhor. Porém, sabemos que a realidade não é exatamente assim. Por isso, a Lei 13.103/2015 foi criada para regular esse critério e garantir que o tempo de espera excessivo seja ressarcido.

Ao se firmar o valor do frete, o tempo de carga e descarga já deve estar previsto no contrato. Isso é importante, pois se esse tempo for ultrapassado e não houver nenhum documento, não será possível cobrar a taxa pelas horas adicionais.

Atualmente, considera-se dentro dos prazos normais os procedimentos de carga e descarga que não ultrapassem:

  • 1h30 de espera para realização do carregamento de carga paletizada;
  • 1h30 de espera para realização do descarregamento de carga paletizada;
  • 3h00 de espera para a realização do carregamento de carga não paletizada;
  • 3h00 de espera para a realização do descarregamento de carga não paletizada.

Portanto, sempre que for fazer o contrato do transporte, leve esses prazos em consideração e os insira no documento. Só assim você terá garantia de que poderá cobrar uma taxa para ressarcir o tempo excessivo em que o caminhão ficou imobilizado.

Além disso, obtenha documentos que indiquem a hora de chegada e saída dos procedimentos de carga e descarga. Qualquer documento pode ajudar: romaneios, controles internos, canhotos que indiquem horário. Dê preferência a documentos assinados pelos responsáveis por esses procedimentos operacionais.

Como calcular o custo do caminhão parado?

Pronto, agora você já sabe que o ressarcimento em caso de atrasos é garantido por lei. Mas também é preciso entender como calcular essa taxa. O cálculo pode parecer um pouco complexo, mas você vai ver que, no final, o resultado é simples. Vamos lá!

O que deve ser calculado

A taxa a ser cobrada pelo atraso não é estipulada por lei. Portanto, é de responsabilidade de caminhoneiro/frotista levantar seus gastos com o caminhão e calcular a taxa que mais se equipara aos custos do caminhão parado.

Para te ajudar, existe uma regrinha básica que leva em conta os 3 fatores principais que geram custo. Primeiro, vamos entender o que cada sigla significa:

  • CHP = Custo da Hora Parada;
  • CFM = Custo Fixo Mensal do caminhão (como manutenção, seguro etc.);
  • 230 = Total de horas trabalhadas pelo veículo ao mês;
  • 0,8 = Taxa de remuneração e administração do serviço (nela devem estar inclusos os custos com ajudantes etc.) — esta taxa é estipulada pelo transportador/caminhoneiro e pode variar.

A conta deve ser feita da seguinte forma: CFM ÷ 230 x 0,8 = CHP. Parece complicado, não é? Vamos dar um exemplo, assim vai ficar mais fácil calcular.

Suponha que o CFM (Custo Fixo Mensal) do seu caminhão seja de R$ 1.500. Agora, calcule:

230 x 0,8 = 184

Depois, divida o CFM por esse número, da seguinte maneira:

R$ 1.500 ÷ 184 = R$ 8,15

Pronto, agora você já sabe que seu caminhão custa R$ 8,15 por hora parado esperando a carga e descarga. Com essa informação, pode cobrar esse valor por hora de imobilidade do seu caminhão quando os prazos padrão forem descumpridos e evitar o prejuízo.

Mas lembre-se: é preciso conhecer a fundo todos os custos do seu veículo para fazer o cálculo. Afinal, se você calcular os custos abaixo dos custos reais, terá prejuízo e, se calcula a mais, vai ser difícil conseguir fidelizar o cliente com o frete. Fique atento!

E se o caminhão ficar parado mais de 5 horas?

Além dos prazos padrão, também existem outros mecanismos de apoio na lei que ajudam a minimizar as consequências de uma longa espera para a carga e descarga. Esses mecanismos, além de garantir seus direitos, servem para otimizar cada vez mais os serviços de logística no país e tentar fortalecer o setor.

A Lei 13.103/2015 estipula que, a partir de 5 horas de atraso, seja cobrada uma taxa/multa de R$ 1,38 por tonelada/hora adicional à taxa estipulada em contrato. O valor deve sempre ser calculado desde o momento da chegada no setor de carga/descarga ao destino.

Outra determinação importante da Lei é que tanto o embarcador quanto o destinatário devem fornecer documento com o horário de chegada do caminhão no embarque/desembarque de cargas, sob pena de multa de até 5% no valor do frete. Todos os valores são ajustados anualmente pelo Índice de Preço ao Consumidor (INPC).

Caminhão parado nunca mais

Além de garantir que o caminhoneiro não leve prejuízo para a casa por algo que está fora de seu controle, estes regulamentos também servem para educar os pontos de carga e descarga e fazer com que eles evitem os atrasos.

Afinal, ninguém quer tomar prejuízo nessa história. Portanto, sempre que os prazos de carga e descarga forem quebrados, cobre as taxas pelo tempo do caminhão parado. Se preciso, utilize o que está exposto na lei para isso e garanta seus direitos.

Nós aqui queremos saber: você enfrenta muitas situações de atraso na carga e descarga dos seus veículos e perde tempo com o caminhão parado? Conte pra gente nos comentários!

Fonte: Prote auto brasil

Comentarios