Pandemia provoca prejuízos para o setor de transportes, aponta pesquisa da CNT

53,4% das companhias acredita não ser possível prever quando terminarão os prejuízos da pandemia. (Foto: reprodução/CNT)

Pandemia provoca prejuízos para o setor de transportes, aponta pesquisa da CNT

Levantamento revela que empresas estão pessimistas em relação ao futuro do segmento e da economia

Redação Chico da Boleia

Dados da sexta rodada da Pesquisa de Impacto no Transporte – Covid-19, realizada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), revelam a situação crítica do cenário atual para os representantes do segmento. Segundo o levantamento, 97% dos entrevistados afirma ainda estar lidando com as perdas provocadas pela covid-19 em relação a demanda, faturamento, capacidade financeira, dentre outros, das empresas.

Já 53,4% das companhias acredita não ser possível prever quando terminarão os prejuízos da pandemia, devido a gravidade da segunda onda, tanto em relação aos casos de contágio e quanto ao de mortos.

A pesquisa da CNT ainda revela que houve aumento do endividamento (52,4%) das empresas do setor, em comparação ao mesmo período de anos anteriores. Além disso, 57,4% dos entrevistados apresentam dificuldades para manter os pagamentos em dia.

Outro problema enfrentado pelas empresas é o acesso a empréstimos em instituições financeiras: mais da metade (55,6%) teve o crédito negado para o capital de giro das empresas. Para 34,2% das negativas recebidas, o motivo informado foi a capacidade comprometida de pagamento da transportadora e para outros 18,8% o motivo foi a restrição de crédito em nome da mesma.

A pandemia também impactou a capacidade de manter e contratar novos funcionários. Segundo o levantamento da CNT, 40,3% das empresas já demitiu trabalhadores; parte dessas transportadoras afirma que irá continuar com os desligamentos nos próximos três meses, devido a crise sanitária.

Para a maioria dos entrevistados (73,4%), a situação poderia ser revertida se o Governo Federal priorizasse a vacinação em massa, além de disponibilizar linhas crédito (49,5%), com juros reduzidos e carência estendida para empresas de todos os portes.

O presidente da CNT, Vander Costa, considera o resultado da rodada atual da pesquisa preocupante, uma vez que os transportadores acreditavam em uma virada positiva de 2020 para 2021, com a crise sendo superada. “As reduções bruscas na demanda e no faturamento têm atingido as empresas do setor em um momento crítico, com dificuldades para obtenção de crédito e a necessidade de adotarem demissões. Nesse sentido, é necessária uma ação rápida do governo federal para apoiar os empresários e ampliar a vacinação, medidas essenciais para uma retomada sustentada da economia”.

Para acessar a pesquisa completa da Confederação, clique aqui.

*Com informações da Agência CNT Transporte Atual

Comentarios