Iveco apresenta 10 novidades para linhas 2017 de caminhões Hi-Way, Stralis, Tector e Daily

940x529_iveco_tector_4x2

Novas versões nas linhas da Iveco fazem parte de plano de reestruturação da marca no mercado brasileiro.

Ouvir o cliente. Esta foi a ação da Iveco na busca pela renovação da marca no Brasil. Emperrada há alguns anos na casa dos 7% de participação de mercado, a montadora italiana iniciou um movimento de reestruturação em 2014 e 2015, reavaliando os produtos que oferece no país e chegando a conclusão que alguns deles precisavam de alterações para serem mais competitivos. Com isso, surge um novo modelo do Daily, seis do Tector, um Stralis e dois Hi-Way, somando um total de dez veículos.

“Fomos a campo ouvir os clientes. É parte de uma reestruturação em busca da excelência”, afirma Ricardo Barion, diretor de Marketing da Iveco. “A ideia é aprimorar o que já temos de bom e reforçar pontos-chaves dessa engrenagem”, completa Marco Borba, vice-presidente da Iveco para a América Latina.

300x300_iveco_daily_4x2Daily

Maior sucesso da Iveco no Brasil, a Linha Daily ganha a versão 40S14. O novo modelo foi desenvolvido com foco em clientes de regiões fora das zonas de restrição e em cidades que restringem a circulação de veículos acima de quatro toneladas. O veículo tem motor de três litros da FPT Industrial, com 146cv de potência.

O mercado de leves é vital para a Iveco. Cerca de metade de tudo que ela vende no Brasil vem da linha Daily, sendo que o segmento foi um dos que menos caiu em 2015, vendendo 16 mil unidades no período (20% do total).

Tector

Já a Linha Tector foi a que mais recebeu novidades. O segmento de semipesados representa uma fatia de 30% do mercado de caminhões, um dos maiores da indústria, e a Iveco espera ser mais competitiva no setor com novidades na Linha Tector.

Uma delas é justificada pelo melhor rendimento de motores Euro 5. “Se olharmos a evolução dos caminhões após o Euro 5, os motores ficaram mais300x300_iveco_tector_8x2 eficientes. Antes os compradores não queriam veículo com motor de 4 cilindros, e esse paradigma mudou”, explica Ricardo Barion. Com base na nova opinião de clientes, a Iveco desenvolveu o Tector 170E21 4×2. Com vocação urbana, o caminhão é equipado com motor de quatro cilindros, 4,5 litros, de 206 cv de potência e 720Nm de torque (o maior da categoria, de acordo com a fabricante), o que diminui o custo operacional.

O mercado de tração 6×2 é o maior entre os semipesados, representando cerca de 50% do total. E aqui a novidade da Iveco é o Tector 240E30. Com um novo motor de seis cilindros, 6,7 litros, 1050 Nm de torque e 300 cv de potência, o caminhão tem mais força e menor consumo de combustível em relação à versão anterior.

Seguindo mais uma tendência de mercado, a Iveco também apresentou versões 8×2 do Tector: o 310E28 e 310E30. A novidade aumenta em seis toneladas a capacidade de carga dos veículos. Para fechar as novidades na Linha Tector, foram apresentadas versões especiais do modelo: o Tector Coleta (um 170E28 com eixo “Pusher”) e o Tector Construção (versão do 260E30 8×4).

400x300_iveco_stralis_480Stralis e Hi-Way

As linhas de caminhões pesados da Iveco tiveram alterações na motorização. Os motores do Stralis 440 e dos Hi-Way 440 e 480 foram ajustados com um novo calibramento, o que aumentou o torque e a economia de combustível. Essas mudanças incluem uma nova turbina, novo coletor de escape, novo volante do motor e aumento da eficiência do sistema de arrefecimento.

As mudanças levam o torque de 2.100 Nm a 2.250 Nm nos motores de 440 cv, e de 2.250 Nm para 2.400 Nm no de 480 cv. Além disso, na linha Hi-Way, O modo de direção econômica (ativado pela tecla Eco no painel) também foi recalibrada, otimizando o consumo de combustível e custos operacionais em todas as condições de operação.

Outra mudança dos modelos Stralis e Hi-Way está nas versões 4×2 e 6×2, que receberam uma nova geração de eixo trativo, o MS 18X da Meritor. Destaque para a coroa e pinhão forjados, além da utilização da tecnologia de solda a laser para a fixação das peças internas, o que amplia a resistência do conjunto e aumenta a vida útil dos componentes internos, tornando os veículos ainda mais preparados para rodar na cidade, na estrada e na terra.

Fonte: Portal das Estradas

Comentarios