Frete sofre reajuste de 9,64%: entender cálculo torna-se necessário para as empresas reduzirem custos

A nova atualização considerou parâmetros como preço do óleo diesel S10, o salário dos motoristas, o preço do pneu e o valor de aquisição do veículo-trator.  (Foto: reprodução/Freepik)

Frete sofre reajuste de 9,64%: entender cálculo torna-se necessário para as empresas reduzirem custos

Uso de tecnologia é fundamental na hora de cruzar informações e definir o melhor frete de acordo com a necessidade dos embarcadores

O piso mínimo do frete subiu cerca de 9,64% em janeiro de 2022, segundo anúncio feito pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). A nova atualização considerou parâmetros como preço do óleo diesel S10, o salário dos motoristas, o preço do pneu e o valor de aquisição do veículo-trator.

Porém, existem muitos outros fatores que influenciam no valor do frete, e cabe ao embarcador ter na “ponta do lápis” todas essas variáveis na hora de fechar um frete, pois um cálculo equivocado pode gerar prejuízos e perdas significativas para a empresa.

Do que é composto o valor do frete?

As variáveis que compõem o valor final do frete estão relacionadas a questões pertinentes à operação de transporte, como: tipos de frete das transportadoras, tipos de carga, taxas e tributos, entre outros. Por envolver tantos fatores, o cálculo do frete pode ser uma tarefa um tanto complexa.

Entre os tipos de frete, existe o Frete direto, é feito entre a empresa contratante e a transportadora e a mercadoria vai do remetente ao destino final. No Frete por subcontratação, a transportadora repassa o frete a outras empresas e gerencia toda a logística da entrega. Já no Frete por redespacho, a retirada do volume é feita na empresa contratante.

Quanto aos tipos de carga, a Carga fechada ou lotação é a carga com um alto volume que ocupa todo o espaço do caminhão. A Carga fracionada, em contrapartida, trata-se do transporte de pequenas quantidades de mercadorias variadas com um número também variável de destinatários.

Fechando as “modalidades de frete”, existe o Frete FOB ou “livre a bordo”, que indica que a responsabilidade do vendedor para com a carga termina no ato do despacho e os riscos da entrega são assumidos pelo comprador, enquanto o Frete CIF, ou Custo, Seguro e Frete, é a modalidade em que os custos operacionais do transporte ficam por conta do fornecedor.

Taxas e tributos

Outro ponto fundamental no cálculo do frete diz respeito às taxas e tributos, que podem variar de acordo com o tipo de carga.

Entre as principais estão o Gerenciamento de Risco e Segurança (GRIS), que cobre os gastos com as medidas de combate ao roubo de carga e varia segundo o que está sendo transportado (normalmente alimentos e eletrônicos têm maior risco) e o local, segundo a periculosidade.

Já o Frete Valor cobre os custos obrigatórios de RCTR (Responsabilidade Civil do Transportador Rodoviário de Carga), além das eventuais despesas como extravios, avarias, violações e greves; enquanto o Frete Peso é uma tarifa calculada com base no peso da carga.

Não podemos esquecer dos Pedágios, que são cobrados por eixo utilizado e variam de rodovia para rodovia. Outras variáveis como preço do combustível, manutenção, pneus, documentação também influenciam no preço do frete.

Como descomplicar os cálculos?

Depois de tantas variáveis, realmente parece impossível calcular o preço do frete de maneira precisa e rentável. A ANTT até criou em 2018 uma tabela que visa facilitar esse cálculo, mas a tarefa não é simples.

– Por esta razão, os embarcadores devem investir em tecnologia. Imagina repetir diariamente todos esses cálculos e ainda ter que levar em consideração os constantes aumentos nos preços? É impraticável – diz Rodrigo Fávero, CEO da Everlog, empresa que desenvolveu um sistema para cotação de fretes que automaticamente cruza todas as informações citadas acima e entrega ao embarcador o melhor preço do frete para determinado cliente.

O sistema permite, inclusive, realizar uma simulação do frete, o que dá ao gestor ampla visão do passo a passo de todo o processo e permite realizar a melhor escolha. Além disso, a etapa de comparar as opções em formato de BID de fretes (prática que consiste em reunir algumas transportadoras em um leilão de operadores logísticos, visando entender qual oferece o melhor custo-benefício), por exemplo, é automática e se baseia nos critérios do embarcador.

Assim, com uma melhor tomada de decisão, é possível reduzir os custos e garantir mais lucro para a empresa no processo de logística. O mercado de logística tem cada vez mais assimilado as inovações tecnológicas e as empresas que não se adequarem certamente ficarão para trás.

Comentarios