Estradas em péssimas condições podem dobrar preço do frete

Caminhoneiros se recusam a transportar safras no Centro-Oeste. Das estradas usadas para escoamento 60% têm problemas no asfalto.

O estado deplorável de muitas estradas está prejudicando o país de uma forma muita clara, nesse momento.

O Brasil produziu uma safra gigantesca de grãos. Mas muitos caminhoneiros estão simplesmente desistindo de transportar a carga. É o que se vê em Cristalina, um dos pólos agrícolas de Goiás.

 A chuva trouxe uma colheita farta.

O problema é levar a soja até os armazéns e portos. No Centro-Oeste, 60% das estradas usadas para o escoamento têm problemas no asfalto. Na GO-467 os caminhoneiros fazem contorcionismo para não tombar. Na BR-158 quem se arrisca tem prejuízos.

“Estragou o compressor. Perdi meio de serviço”, lamenta o motorista de caminhão Leonildo Aparecido.

 A rodovia estadual GO-436 liga Goiás ao Norte, ao Nordeste e também a Minas. Acontece que há trechos que tem mais buracos que asfalto. E é por causa da buraqueira que nenhuma carreta consegue passar a mais de cinco quilômetros por hora.

 “Tem lugar que tem que parar e escolher o menor buraco pra cair dentro”, diz outro caminhoneiro.

 A lentidão provoca atraso na entrega e eleva o custo do transporte. No Centro-Oeste ele subiu 28%; 4% a mais que a média nacional. Em algumas regiões o preço do frete dobrou.

 “Uma carreta ano passado a gente pagava R$ 600 para transportar daqui até Cristalina. Este ano custa R$ 1.200”, diz o produtor rural Onorato Paludo.

 Com rodovias tão ruins, caminhoneiros estão se recusando a transportar a safra desta região.

“Prefiro, digamos, ficar parado. Ficar parado o lucro será maior”, conta o caminhoneiro Vagner Borborema.

 Dário precisou da ajuda do irmão, que é dono de transportadora no Paraná, para conseguir tirar a soja da fazenda.

 “Esses caminhões que eu trouxe não são suficientes para atender a nossa fazenda”, explica o operador de logística Luiz Felipe Nardi.

 Faz dois anos que os produtores esperam melhorias.

A agência responsável pelas estradas estaduais de Goiás afirmou que em 60 dias os problemas na GO-436 devem ser resolvidos por uma nova empresa que venceu a licitação das obras.

E que a GO-467 deve receber melhorias depois que as chuvas diminuirem na região.

O DNIT declarou que existe um contrato de manutenção da BR-158 com uma empresa privada. E que os buracos são fechados diariamente.

Fonte: Jornal Nacional / G1

Comentarios