Como comprar caminhões usados? 4 coisas que você precisa saber

Em especial quem está começando no ramo dos transportes de carga, mas também quem quer trocar seu bruto por um modelo mais atual, provavelmente encontrará vantagens adquirindo um veículo de segunda mão. No entanto, é preciso saber como comprar um caminhão usado para fazer o melhor negócio e não ter prejuízos futuros.

Afinal, a compra de um bem usado de valor alto tem sempre seu risco. Porém, é possível minimizá-los a um nível muito próximo ao de adquirir um veículo novo, fazendo com que seu custo-benefício seja muito maior. Além disso, com a manutenção correta, é possível ter um preço de revenda muito próximo ao valor pago na compra.

Ficou curioso para saber como conseguir todos esses benefícios? Então continue sua leitura, pois apresentaremos, neste artigo, o que é necessário considerar para fazer o melhor negócio possível comprando um caminhão usado!

1. Por que comprar um caminhão usado?

A aquisição de um caminhão usado, seja para trocar seu modelo antigo ou para adicionar mais um veículo para sua frota, pode trazer diversas vantagens em relação à compra de um zero quilômetro. Além dos preços serem mais baixos, é possível encontrar veículos tão bem conservados quanto os novos.

Além disso, as concessionárias oferecem ótimas condições para quem adquire um usado. Esses fatores se tornam mais interessantes ainda para quem está começando no ramo e possui pouco capital para investir.

Abaixo, separamos e comentamos alguns motivos pelos quais deve-se escolher um caminhão usado, mostrando como o negócio pode trazer benefícios ao comprador:

1.1. Preços mais em conta

Só de sair da concessionária para seu primeiro dono, o veículo já perde uma parte de seu valor. Segundo tabela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas), documento mais utilizado para pesquisas dos valores médios do mercado, o preço de um caminhão modelo 2017 é em torno de 20% mais barato do que um zero quilômetro.

Dessa forma, é possível adquirir um veículo moderno e praticamente novo por um valor bem mais baixo. E se a exigência for menor, o desconto pode ser ainda maior, pois os preços vão caindo conforme o ano de fabricação do caminhão.

1.2. Menor desvalorização

Seguindo essa mesma lógica apresentada no item anterior, a depreciação do veículo para o comprador se torna menor. Primeiro porque ele não sofrerá com a grande desvalorização de um zero quilômetro.

E em segundo, porque a taxa de depreciação, ou seja, o quanto de seu valor de mercado um veículo perde a cada ano é, geralmente, menor conforme sua idade aumenta. Assim, comprando um caminhão mais antigo e tendo os cuidados corretos com ele, em um ano, seu preço de revenda permanece mais próximo ao de compra.

1.3. Grande variedade de modelos

Como alguns modelos já foram tirados de linha pelas montadoras, é mais fácil encontrar o caminhão ideal para suas necessidades abrindo a possibilidade de comprá-lo usado, porém certifique-se bem qual a melhor configuração e opção de compra de mercado e lembre-se do valor de revenda.

E não é difícil encontrar bons veículos disponíveis. Muitas frotas corporativas — ou parte delas — são renovadas periodicamente, trocando seus usados por veículos novos, levando ao mercado uma grande quantidade de caminhões em ótimo estado de conservação para serem revendidos nas concessionárias.

1.4. Garantia válida

Como forma de incentivar o mercado e mostrar a confiabilidade de seus veículos, muitas montadoras oferecem garantia estendida de dois anos para seus veículos novos. Assim, é possível aproveitar ainda a cobertura do fabricante ao comprar um caminhão usado.

Esta condição é válida para caminhões seminovos, com até dois anos de uso, mas os concessionários e lojistas tem formas diferentes de tratar o tema para veículos, portanto veja o que te dá maior credibilidade.

1.5. Possibilidade de adicionais

Além dos adicionais que podem ser comprados com a economia feita em relação a um zero quilômetro, muitos caminhões usados já foram equipados pelos antigos donos com acessórios.

Eles melhoram o conforto e a segurança de suas viagens e não têm grande influência no preço de venda do veículo usado. Assim, economiza-se duas vezes: uma no valor do caminhão e outra nos gastos com os adicionais.

Agora que já vimos algumas das vantagens de comprar um caminhão usado, ficou mais fácil decidir pela sua aquisição. Mas, como escolher o veículo com melhor custo-benefício para você? Continue sua leitura, pois trataremos dessa questão no próximo tópico!

2. Como escolher o melhor caminhão?

Como vimos, a compra de um caminhão usado pode ser a solução para começar no ramo de transportes rodoviários, trocar o veículo atual por um modelo mais novo ou aumentar sua frota.

No entanto, alguns cuidados são necessários para que o negócio não se torne uma dor de cabeça futura por conta de problemas mecânicos, elétricos ou com a procedência e regularização do caminhão.

Portanto, veja abaixo nossas dicas de como escolher o melhor caminhão usado e compre o veículo ideal para suas necessidades sem riscos futuros:

2.1. Pesquise o preço médio do modelo escolhido

Utilize o site da Fipe para acessar sua tabela. Esse é o mecanismo mais confiável para a pesquisa do preço médio do modelo praticado no mercado. Ainda, podem ser consultados sites de vendas de veículos usados pela internet para se ter uma noção dos valores praticados.

Dessa forma, é mais fácil determinar a quantia que será preciso gastar para comprar o seu caminhão usado e não pagar mais do que o necessário.

2.2. Vá a uma concessionária de confiança

A compra de um caminhão é um negócio que envolve grandes somas e, se algo der errado com a documentação ou com o veículo, o prejuízo pode ser grande. Muitos desses problemas podem ser evitados ao escolher um lugar confiável, uma concessionária com boa reputação no mercado.

Além disso, as concessionárias possuem uma variedade grande de modelos à venda, alguns, de acordo ao seu critério podem aceitar seu caminhão antigo como parte do pagamento. Também facilitam a documentação de transferência do bem e fazem uma análise criteriosa tanto da procedência do veículo, como da parte mecânica.

2.3. Verifique a documentação

De qualquer forma, especialmente em compras fora de concessionárias, é recomendável que a documentação do veículo seja conferida pelo comprador, para saber se não há pendências ou restrições, como dívidas pendentes e alienação.

Também é importante verificar se a pessoa ou empresa que está vendendo é a mesma que consta como proprietária do caminhão e se o licenciamento está em dia, assim como o pagamento de IPVA (Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores), do seguro DPVAT e a inspeção veicular ambiental.

2.4. Saiba as condições de venda

Às vezes, o preço mais barato do veículo não compensa. Isso porque as condições oferecidas não são boas. Por isso, é importante negociar com o vendedor sobre as taxas adicionais da venda, taxa de transferência e impostos a serem pagos, assim como o seguro.

Se o negócio envolver a contratação de financiamento, verifique quais são as taxas de juros cobradas e outros custos que ele possa gerar, além de prazos de pagamento e valor da entrada.

Confira, também, o que o vendedor oferece de diferencial, como garantia e descontos em produtos e serviços para o caminhão para escolher a melhor proposta.

Para quem adquire o primeiro caminhão, a dica é buscar um financiamento no banco onde você tem um histórico de cliente que facilita a aprovação do financiamento. Outras opções de financiamento de veículos usados no mercado podem ser avaliadas, como cotas de consórcio.

2.5. Faça um test drive

Antes de fechar negócio, é importante fazer um test drive com o veículo, avaliando sua performance, dirigibilidade e conforto, mas vale alertar que o melhor test drive é verificado com o veículo em operação e com carga.

O test drive também é um ótimo momento para verificar se o veículo não apresenta barulhos estranhos na parte mecânica, mau funcionamento da parte elétrica e acessórios do painel, e se não será necessário fazer alinhamento das rodas.

Esses pequenos consertos devem ser encarados como parte do custo da compra e somados ao valor do veículo para saber qual o melhor negócio.

2.6. Inspecione o veículo

Faça uma vistoria completa do caminhão, inspecionando o motor, a caixa de câmbio e a embreagem, a suspensão e o conjunto de transmissão, os pneus, a lataria, as condições do ambiente interno, a parte elétrica e seus acessórios. Só assim será possível se prevenir de custos ocultos com consertos futuros.

Ao comprar um caminhão usado, a inspeção deve ser criteriosa para que problemas não se tornem prejuízos e para não pagar mais por veículos desvalorizados, como os batidos e reformados. Mas você sabe como fazê-la e quais itens devem ser observados? Siga para o próximo tópico, pois daremos algumas dicas importantes.

3. Qual a importância da inspeção no caminhão?

Comprar um caminhão usado é mais barato e possui suas vantagens, mas também é algo que pode ter riscos. Afinal, é impossível saber exatamente como o último dono utilizou seu bruto, se fez as manutenções periódicas corretamente e se não se envolveu em capotamentos e colisões.

Essas são algumas condições que desvalorizam o veículo, pois representam custos de conserto ou perda de eficiência de algumas partes, como portas e para-choques se não tiverem sido consertados corretamente.

Felizmente, ao comprar um caminhão usado em uma concessionária, boa parte dessas preocupações podem ser evitadas, pois os veículos já são vistoriados ao serem comprados e revisados para a venda.

No entanto, é sempre importante uma verificação completa, independente do veículo que será comprado. Veja, abaixo, como fazer uma inspeção na compra de um caminhão usado.

3.1. Quais itens para inspecionar na compra de um usado?

A primeira coisa que deve ser feita para avaliar o caminhão que está sendo comprado é dar uma boa olhada nos principais componentes e no estado de conservação geral do veículo.

Confira quais são esses itens e o que deve ser verificado neles:

3.1.1. Lataria e aparência externa

O exterior de um caminhão pode dizer muito sobre seu passado. Confira o estado de toda a lataria, procurando por amassados, ondulações e diferenças na pintura. Qualquer imperfeição pode representar um conserto mal feito em ferrugens ou batidas que o dono atual esteja tentando esconder.

Para tirar a dúvida, use o famoso teste do ímã: enrole um ímã em uma flanela e passe pela lataria. Se a peça se soltar, é porque há massa plástica no local.

Publicidade:

Consorcio DAF

Ainda, observe as condições dos paralamas e para-choques, conferindo seus pontos de solda e se não há ferrugem.

3.1.2. Portas e vidros

Veja se as portas fecham direito, encaixando perfeitamente nos respectivos vãos. Abra-as até o final e feche-as, atentando a barulhos e estalos. Se houver algum problema desses, significa que ela foi trocada e não é original.

Nos vãos, procure por ferrugem, especialmente próximo da borracha de vedação, que deve estar em bom estado, também.

Com relação aos vidros, é importante atestar que eles são originais e possuem os dados do veículo impressos no canto. Confira se as máquinas de vidro estão funcionando perfeitamente, abrindo e fechando-os até o fim.

3.1.3. Luzes

Confira se todas as luzes estão funcionando corretamente. Além de lâmpadas queimadas, que podem ser caras, o mau funcionamento desses componentes pode representar problemas elétricos.

3.1.4. Interior da cabine

O estado do interior da cabine é importantíssimo, apesar de muita gente descuidar. Afinal, é lá que o motorista passará a maior parte do tempo. Por isso, bancos e estofados devem estar bem conservados, volantes e manoplas de troca de marchas em boas condições, painel íntegro e completo.

Levante os tapetes para conferir o assoalho. Partes muito enferrujadas precisarão de conserto para manter o conforto da cabine e são resultados de infiltrações de água pelas portas ou janelas.

A limpeza é fundamental. Um interior mal conservado indica desleixo com o caminhão e uso severo, o que pode refletir em outras partes do veículo, como a mecânica, por exemplo.

3.1.5. Motor

Com o motor ligado, verifique se não há fumaça em excesso, que representa a necessidade de uma retífica no futuro próximo. Além disso, trepidações por causa do giro irregular dos pistões, barulhos estranhos como “arranhões” ao dar a partida e batidas metálicas, são sinais de problema.

3.1.6. Suspensão

Visualmente, deve-se observar se não há rachaduras ou corrosões nas molas e pistões, e se coxins e batentes não estão ressecados. Com as mãos, conferir se não há folgas no sistema, chacoalhando os pistões, se possível. Se não, podem ser conferidos no test drive.

Também é recomendado, caso o comprador consiga, balançar o caminhão para ver se a suspensão está mantendo o veículo estável. Balançar demais — duas ou mais vezes — é sinal de problemas nos amortecedores da cabine.

3.1.7. Pneus

Confira se todos os pneus são compatíveis com o veículo em seus tamanhos e se estão conservados. Observe os sulcos, as ranhuras da banda de rodagem (parte que toca o chão) para saber se não estão carecas. Além disso, procure por bolhas e rachaduras em toda sua extensão, pois são pontos de falhas que facilitam rasgos e estouros.

3.1.8. Quinta-roda

É preciso conferir o estado de conservação da quinta roda, se não há ferrugens e se a lubrificação está em dia.

3.1.9. Vazamentos

Procure por resquícios de umidade e marcas de óleo queimado ou seco no motor e em toda a parte mecânica do veículo, especialmente nas mangueiras, que não devem estar ressecadas, e nos pistões.

3.2. O que verificar em um test drive?

Além de fazer a inspeção com o caminhão parado, antes de efetuar a compra, é preciso fazer um test drive para analisar o funcionamento dos componentes e ver se o modelo é o ideal para seu caso.

No test drive, o motorista deve ter atenção especial aos seguintes itens:

3.2.1. Luzes do painel

Qualquer luz acesa de aviso no painel deve ser encarada como sinal de alerta. Elas significam que o sistema eletrônico do veículo está encontrando problemas em algum ponto, como o nível de óleo, temperatura ou sistema de freio ABS.

Mesmo que os componentes estejam funcionando perfeitamente, uma luz acesa pode significar problema na própria central eletrônica.

3.2.2. Engate de marchas

Confira se o engate das marchas é suave e se o pedal da embreagem não está duro. Dificuldade em trocar de marchas e barulhos estranhos (arranhados ou batidos) são sinais de desgaste da embreagem.

3.2.3. Barulhos na suspensão

Batidas fortes e balanço exagerado indicam que os pistões estão perdendo sua eficiência e há desgaste no sistema de suspensão.

3.2.4. Força do motor

Teste o veículo em subidas verificando se o motor está gerando força o suficiente para atravessá-las sem problemas. Já nas descidas, confira se o freio motor (quando a marcha engatada mantém a velocidade do veículo) não apresenta barulho em excesso.

3.2.5. Freios

Confira se não há trepidações em frenagens suaves e fortes. Isso acontece por conta do desgaste de pastilhas. Também é importante ver se não há o travamento das rodas, o que indica problemas no ABS.

Além disso, é importante lembrar de testar o freio de estacionamento, parando o caminhão em uma subida, e estar atento aos sons emitidos ao acionar os freios. Sons altos e persistentes de atrito metálico são sinais de que uma revisão completa será necessária com troca de pastilhas e lonas.

3.2.6. Barulho nos rolamentos

Atente-se a barulhos nos rolamentos das rodas. Ao dirigir o caminhão em uma reta, deixe-o momentaneamente desengatado para ouvir melhor o ruído. Rolamentos desgastados dão sinais como zumbidos e estalos e podem travar uma roda.

3.2.7. Conforto

Por último, é sempre bom conferir se o modelo do caminhão oferece o conforto e a ergonomia necessária para trabalhar. Veja se o assento dá boa sustentação para o corpo, se a posição de direção é a satisfatória e se a cabine oferece tudo o que será preciso nas viagens.

Seguindo estes passos, provavelmente o melhor caminhão usado será comprado e problemas futuros não acontecerão. Isso, claro, se o veículo for conservado corretamente, inclusive, garantindo que em uma futura venda, tenha o mínimo de perda no valor.

Se você ainda não sabe exatamente como conservar seu veículo ao máximo sem deixar de utilizá-lo diariamente, continue para o próximo tópico, pois falaremos sobre isso.

4. O que é necessário para conservar o caminhão?

Tomar certas atitudes permite que a vida útil dos componentes do caminhão seja alongada, diminuindo os gastos com consertos e substituições. Além disso, mantém as boas condições de todo o veículo, o que garante a segurança das viagens, evitando colisões e acidentes.

Esses fatores serão importantes para se futuramente o veículo for colocado à venda, pois ajudam a manter o valor do bem.

Abaixo, separamos algumas dicas do que fazer para conservar seu caminhão. Confira!

4.1. Utilizar somente peças originais

Peças originais possuem durabilidade maior do que peças paralelas. Além disso, elas são feitas nas especificações exatas de medidas e desempenho. Assim na balança final elas representam uma grande economia.

Afinal, além de durarem mais, diminuindo as quantidades de substituições, sua eficiência minimiza o esforço sobre outros componentes mecânicos, tornando a manutenção mais barata.

4.2. Fazer a manutenção preventiva

A manutenção preventiva, trocando as peças com sinais de desgaste e mantendo os fluidos e a lubrificação dos componentes em dia, é extremamente mais barata do que a corretiva, feita após algum problema acontecer, além de conservar o veículo.

Isso acontece porque quando uma peça é danificada, ela afeta outras partes interligadas, aumentando o custo do conserto. Ainda, problemas de manutenção podem levar a quebras durante as viagens e causar acidentes. Além dos transtornos e do perigo, há também o prejuízo financeiro.

4.3. Adotar uma postura defensiva no trânsito

Dirigir sempre dentro dos limites e com velocidade compatível ao do fluxo, manter a distância de segurança, utilizar sempre o freio motor e fazer manobras com atenção e paciência são apenas algumas atitudes que consistem na direção defensiva.

Adotar uma postura defensiva ajuda a evitar colisões e capotamentos e diminui o desgaste das peças mecânicas.

4.4. Não exceder o limite de carga

Cargas além da capacidade do caminhão danificam diversas peças e componentes como a suspensão, carroceria, eixos de roda, a quinta-roda, forçam o motor e a transmissão, além de fazerem com que o veículo tenha uma perda grande de eficiência e segurança.

Assim, ao exceder o limite estabelecido pelo fabricante, o valor do frete pode até aumentar, mas os prejuízos serão enormes com a manutenção do caminhão, além de fazer com que seu preço de revenda caia consideravelmente por conta das condições de conservação.

Como vimos, sabendo como comprar um caminhão usado corretamente, é possível aproveitar todas as vantagens que o negócio pode trazer, como preços atraentes e modelos mais completos. No entanto, é preciso cuidado na hora de comprar o veículo e, mais ainda, durante seu uso para que, em uma venda futura, a desvalorização seja a menor possível.

Fonte: WLM – SCANIA

Comentarios