91ª Edição Nacional – Jornal Chico da Boleia

 

Transporte e crise sanitária

Durante mais de um ano de pandemia de coronavírus, atingimos a triste marca de dais de meio milhão de pessoas mortas. E a pergunta que se faz constantemente é: de quem é a culpa ?
A Constituição de 1988 deixa explícito que garantir a integridade da saúde é uma responsabilidade do Governo Federal. Assim sendo, a responsabilidade de estabelecer políticas públicas que evitem mortes continua sendo do Governo Federal.
Infelizmente, nossos dirigentes não trataram a população com respeito e responsabilidade durante esta pandemia. Tal omissão ficou evidente nos discursos negacionistas e na indicação de tratamentos sem eficácia comprovada pela ciência. A isso, soma-se a demora na compra das vacinas, e a desorganização na sua aplicação.
Recentemente, tomamos conhecimento das negociatas que envolveram a compra dos imunizantes. Diante das pressões em dar uma resposta à altura do cargo que ocupa, a autoridade máxima do país expressou desprezo e falta de solidariedade com as famílias que perderam entes queridos e com os milhões de infectados.
Isso sem contar, em meio ao caos na saúde pública, a maioria dos brasileiros ainda tem que encarar a fome, um altíssimo índice de desemprego e o aumento constante da inflação.
No campo institucional, o chefe da nação vocifera contra o voto eletrônico, agredindo membros do Supremo Tribunal Eleitoral.
Diante desses fatos, transparentes e cristalinos, como comunicador e jornalista eu pergunto: Senhor Excelentíssimo Presidente da República, o que está acontecendo que o senhor não desce do palanque e governa como deveria?
Além da falta de políticas efetivas na área da saúde pública, esse governo deixa a desejar nos compromissos com os trabalhadores. No que diz respeito ao transporte, os caminhoneiros e caminhoneiras amargam sucessivos aumentos no preço dos derivados do petróleo e uma defasagem constante do frete.
Atualmente, não se vê o mesmo empenho de vossa excelência em tratar essa categoria como prioritária, não só nas políticas na área da saúde, mas em outras medidas que possam melhorar as condições de trabalho e renda desses trabalhadores que não pararam durante a pandemia.
Diante desses questionamentos, nós do Chico da Boleia entendemos nosso papel e, desde abril de 2020, criamos a REDE SOLIDARIA CHICO DA BOLEIA, apoiar os caminhoneiros e caminhoneiras que diariamente nos ajudam a enfrentar esse momento tão difícil. Agradecemos de antemão a todas as empresas, órgãos, entidades e parceiros que nos ajudaram nessa missão.
Companheiros e companheiras do tapetão negro da estrada! A guerra contra a pandemia continua e a vitória depende de nós. Todo setor de transporte rodoviário tem um papel fundamental nessa luta.
Devemos continuar usando a máscara, o álcool 70%, evitar a aglomerações e acreditar na ciência. Combata as fakenews e tome a vacina! Nós vamos continuar distribuindo as doações em apoio e solidariedade ao setor como um todo.
Por fim, agradeço e parabenizo os caminhoneiros e caminhoneiras pelo dia 25 de Julho. Parabenizo também todos os pais que se esforçam para garantir a criação e o sustento de seus filhos. Que São Cristóvão proteja a todos e todas!
Boa leitura!
Chico da Boleia – A voz do setor de transportes

Comentarios