3 itens para analisar ao contratar uma transportadora rodoviária de cargas

São apenas 3 itens que se num primeiro momento podem não lhe parecer suficiente para definir a contratação, certamente será suficiente para decidir a “não contratação” de uma transportadora. Vamos a eles:

1- Apólice de seguro

Este é um item que você não pode deixar de lado e precisa ser analisado por dois motivos principais:

Primeiro porque existem dois tipos de apólices de seguro de responsabilidade da transportadora, chamado RCTR-C e o RCF-DC, sendo a primeira uma apólice obrigatória para qualquer transportadora, que se refere em linhas gerais ao seguro contra acidentes. A segunda apólice é uma apólice facultativa (opcional) destinada a cobertura de roubo de carga (desaparecimento de carga).

Sabendo disso, você já pode perceber que talvez a transportadora que você queira contratar não possua uma apólice que dê cobertura ao risco do desaparecimento (entenda-se roubo) da sua carga.

Se sua mercadoria for de grande valor ou muito visada pelos ladrões de carga, além de se atentar para a existência da apólice de desaparecimento de carga, você vai precisar ver os limites de cobertura imposta pela própria apólice contratada, pois as condições de valores totais de cobertura podem não ser suficientes para sua mercadoria (tipo) e, também, podem requerer cuidados e atenções especiais para serem aceitos (necessidade de rastreamento de veículo, existência de atuadores como controle de abertura de portas e liberação e monitoramento por uma empresa de gerenciamento de risco específica).

Agora, saiba que a apólice contratada pela transportadora pode te mostrar muito mais do que isso, mostrar mais do que apenas a cobertura para seguro das suas mercadorias. Ela vai te mostrar o “quanto” a seguradora “confia” naquela transportadora, pois ninguém daria uma cobertura significativa para uma empresa que oferecesse riscos anormais (inclua aí toda a análise do histórico de sinistros inclusive).

Se uma transportadora tem milhões de cobertura, isto já é um bom sinal. Agora quantos milhões são suficientes, você vai descobrir “cotando o mercado” e vendo quais transportadoras possuem uma cobertura que pode ser considerada acima do normal, e assim, poder escolher com mais tranquilidade seu parceiro em transportes neste quesito.

2- Bancos parceiros

Saber com quais Bancos uma transportadora trabalha também é um sinal interessante e pode te ajudar na escolha.

O transporte rodoviário de cargas é intensivo em capital de giro, ou seja, os desembolsos ocorrem em sua maioria antes de receber o valor da prestação do serviço e, quanto mais se vende, mais se gasta inicialmente.

Um transportadora vai necessitar de capital de giro, muitas vezes por meio dos Bancos, e saber quais estão “dando” crédito a empresa pode também te ajudar na escolha.

Ter uma conta aberta não significa exatamente que haja crédito para aquela empresa, mas ao mesmo tempo é improvável que ela lhe indique a conta num Banco para receber caso esteja devendo para aquele Banco, pois o Banco poderia “bloquear” a favor dele mesmo (para pagamento de empréstimos) o dinheiro que entrou, prejudicando ainda mais a liquidez e capital de giro da transportadora, caso a mesma esteja em dificuldades financeiras.

E talvez você não queira contratar uma empresa transportadora em dificuldades financeiras. Por isso, busque entender porque tal transportadora trabalha com tal Banco.

3- Clientes

Conhecer e pedir referências de clientes atendidos é um item que também não pode ser deixado de lado.

Muito semelhante as seguradoras, você saberá “quem” já fez o trabalho de “avaliação” da transportadora antes mesmo de você.

Por ser um serviço de alta demanda e frequente, é claro que ter atendido um cliente pode não dar uma direção exata e nem um “certificado” de qualidade, mas pode ajudar muito.

Sabendo quais empresas já foram atendidas por aquela transportadora, ou ainda são atendidas, te permite pedir referências (ligue para saber mais detalhes da forma de trabalho e pergunte tudo o que desejar).

Sabemos que as transportadoras só indicarão empresas que tenham certeza que lhe darão boas referências, mas mesmo assim esse é um item que não pode ser deixado de lado.

Para concluir, é natural que você deva avaliar também outros itens que considere importante na contratação de uma transportadora, mas na correria do dia a dia algumas vezes não paramos para refletir em coisas simples. Neste meu roteiro, simplifiquei as coisas e basta você seguir estes 3 passos que a chance de escolher um transportadora ruim vai diminui bastante.

Boa sorte!

Luis Fernando Freitas
Consultor e empreendedor que já atuou no mercado de transportes e atualmente presta consultoria para empresas de diversos segmentos, inclusive transportadoras de cargas

Fonte: Terra

Comentarios