Governo cogita comprar caminhões antigos para equilibrar preços do frete

A Empresa de Pesquisa Energética (EPE), ligada ao Ministério de Minas e Energia, propõe uma discussão para reequilibrar o setor de forma estrutural e permanente. (Foto: reprodução)

Governo cogita comprar caminhões antigos para equilibrar preços do frete

Em nota, Ministério de Minas e Energia aponta também que a tabela do frete só agravou a situação dos caminhoneiros ao aumentar a venda de veículos

O governo federal busca alternativas para tentar atender as reivindicações dos caminhoneiros, em especial os autônomos. Em meio a isso, a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), ligada ao Ministério de Minas e Energia, propõe uma discussão para reequilibrar o setor de forma estrutural e permanente, sugerindo uma política pública de renovação da frota, com sucateamento acelerado de caminhões antigos, uma teoria também defendida por outros especialistas.

A proposta da EPE se concentra na aquisição de caminhões antigos pelo governo, reduzindo a oferta, ao mesmo tempo em que injeta recursos na economia com o programa, o que teria potencial de estimular a demanda, e com isso reequilibrar o mercado de frete, avalia a EPE.

A autarquia ressalta que a proposta não é um entendimento final sobre o tema, mas busca levantar pontos para uma reflexão mais ampla.

Confira abaixo a nota completa:

“Os caminhoneiros estão enfrentando uma conjuntura difícil, e a situação de muitos deles, especialmente dos autônomos, veio se deteriorando ao longo dos últimos anos, antes mesmo das complicações adicionais causadas pela pandemia. Essa conjuntura levou às paralisações ocorridas em 2015 e 2018, e segue causando dificuldades, o que faz com que os caminhoneiros ainda hoje estejam cogitando mais movimentos nas estradas.

Essa Nota para Discussão foi elaborada para analisar a conjuntura do transporte rodoviário de cargas, analisa a eficácia do tabelamento de fretes, a redução de tributos e a concessão do subsídio ao diesel, implementados em 2018, e analisa uma proposta alternativa para ajustar o mercado de fretes rodoviários de forma estrutural e permanente: a renovação da frota com sucateamento acelerado dos caminhões antigos”.

*Com informações do Canal Rural

Comentarios