Conheça as multas mais comuns para caminhoneiros e como evita-las

O caminhoneiro, que passa grande parte de seus dias dirigindo, está muitas vezes mais exposto à fiscalização. Além disso, existem legislações específicas para os veículos de carga que devem sempre ser obedecidas evitando a aplicações de multas.

É sempre bom lembrar que, o Código de Transito Brasileiro (CTB) não deve de maneira alguma ser visto como inimigo do condutor, pelo contrário, as regras de trânsito existem para garantir segurança nas ruas, avenidas e rodovias de todo o país. O respeito à legislação não só evita o recebimento de multas, como permite a chegada ao destino com maior segurança, preservando o veículo e principalmente terceiros e o condutor.

Separamos 3 das principais multas aplicadas e que podem facilmente ser evitadas:

  • Excesso de peso: Essa é uma das penalidades mais aplicadas em estradas. Ela varia em classificação de média a gravíssima de acordo com o total excedido.

Havia uma grade discursão sobre quem deveria arcar com a responsabilidade dessa infração, o que fez com que o governo baixasse um decreto em setembro de 2015.

Neste decreto, o transportador é responsabilizado quando: não há documento fiscal, ou quando a mercadoria tiver mais de um remetente.

O embarcador é responsável quando o peso total for menor que o informado no documento fiscal.

Ambos são solidariamente responsáveis quando o peso declarado for superior ao limite legal.

  • Farol quebrado em rodovias: Infração considerada média, ocorre devido à falta de atenção e manutenção do veículo.

A manutenção das lâmpadas não é um procedimento caro, além de muito rápido, por isso vale a pena se certificar se está tudo OK antes de sair para a estrada.

  • Excesso de poluição: Neste caso, a multa para caminhoneiros não está ligada aos órgãos de transito, mas sim ao código ambiental. Por isso os valores aplicados são bastante superiores, podendo passar da cada dos dez mil reais.

Gostou do nosso conteúdo? Compartilhe com em suas redes.
Dúvidas ou sugestões? Deixe nos comentários.

Fonte: Blog Iveco

Comentarios