60% das empresas de transporte perderam receita em 2016, diz CNT

Sondagem da entidade mostra cenário moderado de otimismo para 2017. Pesquisa ouviu 795 empresas de transporte.

Diante da crise econômica, 60,1% das empresas do setor de transporte registraram queda em suas receitas brutas em 2016, informou a sondagem da Confederação Nacional do Transporte (CNT). O levantamento também apontou que 58,8% das companhias do setor reduziram o número total de viagens neste ano.

Os dados fazem parte da Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2016, levantamento que mostra o cenário do setor de transportes rodoviários. A pesquisa, que ouviu 795 empresas de transporte de todo Brasil, mostra um cenário moderado de otimismo dos empresários do segmento rodoviário para 2017.

Ainda de acordo com a sondagem, 74,6% das empresas informaram aumento dos custos operacional.

“A expectativa dos transportadores entrevistados na Sondagem 2015 era de que houvesse manutenção dos já baixos níveis de receita bruta (44,2%), do número de viagens (50,2%) e da quantidade de cargas e passageiros (44,3%) em 2016. Contudo, os resultados da Sondagem 2016 revelam que essas expectativas foram frustradas, e o setor registrou redução em todas essas variáveis”, diz trecho da pesquisa.

Segundo o levantamento, 90,7% dos entrevistados consideram que a crise política afetou negativamente o transporte e 37,4% das empresas reduziram o número de veículos em operação.

A CNT ressaltou que, de dezembro de 2015 a setembro de 2016, foram demitidos 52.444 trabalhadores no setor de transportes.

Para 2017, 47,7% dos empresários esperam aumentar a receita bruta e 48,8% confiam que haverá melhor desempenho da atividade econômica.

Otimismo

A sondagem também apontou que 53,5% dos transportadores afirmaram que a confiança na gestão econômica aumentou. Em 2015, 86% dos entrevistados apontaram queda na confiança da gestão econômica.

Para 49,3% dos empresários, a retomada do crescimento só será percebida em 2018. Já 23,6% acreditam que a retomada será percebida no próximo ano.

Embora 61% dos entrevistados destaquem que seu atual grau de confiança é moderado, o cenário identificado pelo levantamento é melhor do que o registrado em 2015. No ano passado, 86% dos entrevistados afirmaram que tinham um baixo grau de confiança.

A pesquisa ouviu ainda os entrevistados sobre a participação de investidores estrangeiros nas novas concessões anunciadas pelo governo e 83,5% dos transportadores apoia a entrada de estrangeiros nos investimentos.

 

Comentarios