Rodovias do Vale do Paraíba vão receber 61 radares até setembro

Equipamento em operação na Floriano Rodigues Pinheiro (SP-123), que dá acesso a Campos do Jordão (Foto: Carlos Santos/G1)
Radar na Floriano Rodigues Pinheiro (SP-123) que dá acesso a Campos do Jordão (Foto: Carlos Santos/G1)

O governo do estado licita a compra de 61 novos radares fixos que devem começar a ser instalados entre agosto e setembro nas principais rodovias estaduais que cortam o Vale do Paraíba, Serra da Mantiqueira e Litoral Norte, como a SP-99 (Tamoios) e SP-125 (Oswaldo Cruz).

A compra, que vai aumentar em quase seis vezes os equipamentos de fiscalização em operação nas estradas da região, vai exigir que os motoristas redobrem a atenção para respeitar os limites de velocidade e evitar multas.

Atualmente, apenas 12 radares fixos operam nas estradas que cortam a região, de acordo com os dados do Departamento de Estradas de Rodagem (DER). Os aparelhos estão distribuídos em apenas três rodovias, sendo dois radares na SP-99 (Tamoios), dois na SP-123 (Floriano Rodrigues Pinheiro) e oito na SP-55 (Padre Manoel da Nóbrega).

G1 apurou que os novos equipamentos de fiscalização que estão em licitação são divididos em dois tipos – 32 radares fixos e 29 lombadas eletrônicas. As lombadas possuem um visor informativo que mostra a velocidade que o motorista passou pelo trecho monitorado.

Entre as rodovias que irão receber os aparelhos estão as duas que já são fiscalizadas, Tamoios e Padre Manoel da Nóbrega, além da SP-66 (Geraldo Scavone) e SP-77 (Nilo Máximo, ambas em Jacareí. Parte dos novos aparelhos também serão instalados na SP-62 (Padroeira do Brasil), que fica em Aparecida. A SP-123 não está prevista no pacote.

Pacote
Os aparelhos que devem começar a operar nas estradas do Vale do Paraíba fazem parte do pacote de 425 radares fixos e lombadas eletrônicas que está sendo licitado para operar nas estradas de todo o estado.

Por nota, o DER informou que a licitação tem o objetivo de ‘garantir melhores condições de segurança aos usuários das rodovias não concedidas’. Segundo o órgão, a licitação tem como base um levantamento de pontos críticos nas rodovias, onde há maior incidência de excesso de velocidade pelos motoristas, realizado entre 2005 e 2011.

fonte: G1

Comentarios