Petrobras reduz preços do diesel e da gasolina nas refinarias

A estatal anunciou hoje (30), no Rio de Janeiro, que o litro do diesel cairá de R$ 2,76 para R$ 2,71 (- R$ 0,05 ou -1,8%). (Foto: reprodução/Petrobras)

Petrobras reduz preços do diesel e da gasolina nas refinarias

Novos valores entram em vigor neste sábado (1º)

O preço da gasolina e do diesel será reduzido a partir de amanhã (1º) nas refinarias da Petrobras. A estatal anunciou hoje (30), no Rio de Janeiro, que o litro da gasolina passará de R$ 2,64 para R$ 2,59 (- R$ 0,06 ou -1,9%), enquanto o do diesel cairá de R$ 2,76 para R$ 2,71 (- R$ 0,05 ou -1,8%).

Este é o nono reajuste nos últimos meses (incluindo aumentos e reduções nos valores dos combustíveis). A estatal utiliza a política denominada PPI (Preço de Paridade de Importação) e, segundo a Associação dos Engenheiros da Petrobras (AEPET), essa medida faz com que os combustíveis sejam vendidos como se fossem importados, o que faria sentido caso o petróleo não fosse refinado no Brasil. Além de ser impactado diretamente pela cotação do dólar.

Segundo a estatal, os reajustes nos preços de diesel e gasolina são usados para buscar equilíbrio com o mercado internacional, acompanhando as variações do valor global dos combustíveis e da taxa de câmbio entre o real e o dólar.

A estatal defende que as mudanças nos preços praticados nas refinarias devem ocorrer sem periodicidade definida, acompanhando as condições de mercado e da análise do ambiente externo. Segundo a empresa, “isso possibilita competir de maneira mais eficiente e flexível e evita o repasse imediato da volatilidade externa para os preços internos”.

Caminhoneiros recorrem a Petrobras pelo fim da PPI

Em artigo divulgado pela AEPET nesta semana, caminhoneiros pediram o fim da PPI em reunião virtual realizada com a diretoria da Petrobras, após o General Joaquim Silva e Luna assumir a presidência da estatal, no último dia 19 deste mês.

Os constantes aumentos têm impactado diretamente os trabalhadores do setor e prejudicado o mercado e os consumidores.

Os caminhoneiros acreditam que, por ser um militar, o novo presidente da Petrobras pode ter uma visão mais nacionalista da empresa, menos alinhada com os interesses do mercado financeiro e dos investidores estrangeiros do setor. Na prática, defendem a adoção de preços internos lastreados pelos custos de produção em real, e não em dólar. Reivindicam também a suspensão das privatizações.

O encontro contou com lideranças do setor do TRC e com um representante da Petrobras, que não teve o nome divulgado pela empresa.

*Com informações da Agência Brasil e AEPET

Comentarios