Nikola promete mais um caminhão a hidrogênio

O Nikola Tre, o terceiro modelo da startup, terá como destino os mercados da Europa

A startup americana Nikola Motor Company anunciou planos de produzir mais um caminhão movido a hidrogênio, o Nikola Tre (três em norueguês). Desta vez, porém, o objetivo da empresa é oferecer um modelo de transporte sem emissão de poluentes para os mercados europeus.

A empresa adianta que os convidados poderão ver de perto o protótipo em abril de 2019, quando nos dias 16 e 17, em Phoenix, Estados Unidos, a empresa promoverá o Nikola World, evento que reúne investidores, fornecedores, mídia e público em torno da ideia de sustentabilidade ambiental. Na ocasião também os participantes poderão ver o Nikola Two em operação.

O Nikola Tre, bem menos aerodinâmico que o One e Two, modelos com o típico design dos caminhões de longa distância dos Estados Unidos, terá configurações de 500 cv a 1.000 cv em versões 6×2 ou 6×4 e autonomia de até 1.200 quilômetros. Segundo a companhia, o modelo entregará um custo por milha rodada de 10% a 20% mais barato se comparado aos caminhões movidos a diesel.

Publicidade:

anuncio

De acordo com a empresa, os testes na Europa do Nikola Tre começarão por volta de 2020 e a produção de dois a três depois. A companhia adianta que iniciou fase preliminar para identificar um local adequado para instalar fábrica em território europeu.

Simultaneamente aos planos de desenvolvimento dos caminhões, a Nikola tem parceria com a norueguesa Nel Hydrogen para implantação e fornecimento de infraestrutura de abastecimento de hidrogênio. Pelos planos da empresa até 2028 serão 700 estações instaladas nos Estados Unidos e Canadá com capacidade de produzir de 2.000 kg a 8.000 kg diários de hidrogênio. Na Europa, as estações estão previstas para entrar em operação em 2022 e cobrir maior parte do mercado europeu até 2030.

A Nikola diz que até o momento tem por volta de US$ 11 bilhões em reservas de pré-venda de seus modelos. Somente para o Nikola Tre a soma supera os US$ 380 milhões.

Fonte: Estradão

Comentarios