Mercedes-Benz escolhe Curitiba para sua terceira loja de seminovos

O crescimento do mercado de usados mostra certeira a estratégia da Mercedes-Benz de abrir sua terceira loja própria da marca SelecTrucks, unidade de negócios de seminovos, desta vez em São José dos Pinhais, na Grande Curitiba, no Paraná o terceiro maior mercado de veículos seminovos do país. A montadora também já planeja abrir mais um ponto da marca no Nordeste.

O mercado de caminhões usados cresceu 4% no primeiro semestre de 2017, em comparação a igual período do ano passado, saltando de 156.978 veículos emplacados, de janeiro a junho de 2016, para 163.477 unidades, nos primeiros seis meses deste ano. Nos últimos dois anos, esse mercado vinha apresentando crescimento de 1% ao ano.

“O mercado de usados tem um potencial bastante grande”, opina Ari de Carvalho, diretor de vendas e marketing caminhões da Mercedes-Benz do Brasil.

“Hoje, a proporção de venda é de 7,2 caminhões seminovos para um zero km, o que demonstra que o cliente está buscando cada vez mais essa alternativa no momento de renovar a sua frota”, complementa.

A montadora aposta no crescimento desse mercado e prevê aumento de 5% nas vendas de caminhões usados este ano. “Nos últimos três anos, os volumes anuais de usados foram superiores a 300.000 caminhões e, devido à grande demanda desse mercado, estamos projetando um crescimento de 5% até o final deste ano”, estima o executivo.

Desde que abriu sua primeira loja da grife SelecTrucks, há quatro anos, em Mauá (SP), a empresa comercializou mais de 2.000 caminhões usados, sendo que mais da metade deles corresponde a cavalos-mecânicos, o que destaca a força da montadora no segmento de extrapesados.



Somente no primeiro semestre deste ano, foram comercializados pela SelecTrucks 423 caminhões, o que representa o dobro de veículos vendidos em relação ao mesmo período de 2016. Em média, são 70 mil consultas por mês no site da SelecTrucks, que atualmente avalia mais de 100 caminhões por dia. O perfil do comprador é, principalmente, de caminhoneiros autônomos e pequenos transportadores e cerca de 50% das vendas de usados começa na internet. A marca dá garantia de seis meses para seminovos que quando chegam nas lojas passam por uma revisão completa.

A estrutura SelecTrucks é uma ferramenta para alavancar também as vendas de caminhões novos. “Já vendemos cerca de 1.670 caminhões novos em negociações que envolveram a troca de usados dos clientes. Desse resultado, 1.000 veículos novos foram vendidos só nos últimos 18 meses. Em 2016, o SelecTrucks contribuiu em 1,3% na participação de mercado da marca nas vendas de caminhões”, completa Ari de Carvalho. Segundo Carvalho, no ano passado foram comercializados 616 caminhões novos graças à SelecTrucks.

A nova loja de Curitiba está estrategicamente localizada na BR-101, região de grande circulação de caminhões pesados, especialmente graneleiros que levam a soja e outros grãos para o Porto de Paranaguá. Curitiba é um polo importante não só para o Paraná, como para toda a região e para a interligação do Sul com o Sudeste e Centro-Oeste.

“Na região, por exemplo, recentemente realizamos negócios com usados de grandes frotistas para a venda de mais de 60 caminhões zero km. Foram 36 unidades para Budel Transportes (Actros, Axor e Atego) e mais 26 modelos Actros 2651 para a Brasil Central”, conta Carvalho.

Lojas Satélites

Três anos depois da inauguração da primeira loja da marca, em Mauá, foi aberto um novo estabelecimento em Betim, na Grande Belo Horizonte (MG). Agora, além da nova unidade em Curitiba, a SelecTrucks está apostando em duas lojas satélites nos concessionários Sambaíba, em Campinas, e Pirasa, de Limeira, em São Paulo. Essa parceria quer reforçar a presença da SelecTrucks na região, onde também se concentra um grande volume de negócios com caminhões usados. Segundo Carvalho, estar dentro do concessionário, com uma estrutura própria da unidade de seminovos, proporciona uma série de vantagens na hora do atendimento aos clientes, porque agiliza o acesso ao diversificado portfólio de produtos e serviços de pré e de pós-venda.

Comentarios