IVECO segue em destaque no mercado brasileiro mesmo durante a pandemia

O bate-papo abordou o impacto da pandemia na produção da empresa, ações para o segundo semestre, lançamentos e renovação de frota. (Foto: divulgação)

IVECO segue em destaque no mercado brasileiro mesmo durante a pandemia

Diretor comercial da empresa participou da live com Chico da Boleia nesta terça-feira (25)

Na tarde desta terça-feira (25), o Chico da Boleia conversou com Ricardo Barion, diretor comercial da IVECO Brasil. O bate-papo abordou o impacto da pandemia na produção da empresa, ações para o segundo semestre, lançamentos e renovação de frota.

Barion iniciou a live contando que as vendas de caminhões estavam indo bem no início do ano, porém, a pandemia afetou a produção e as atividades da fábrica. “A projeção de comercialização, em janeiro, era de 10% (em termos de volume de caminhões) a mais do que no mesmo período do ano passado. O mercado brasileiro está acostumado as crises, mas esse momento foi de pane geral, fechando nossa planta, sem saber quando, como ou até mesmo o quanto voltaríamos a produzir”.

Para o diretor comercial da IVECO, este é um período de resiliência e pensamento positivo. Ele ainda ressalta que as atividades na empresa estão normais, mas é necessário seguir os protocolos de segurança, determinados pelo Ministério da Saúde e pela própria IVECO.

– Com base nisso, começamos a olhar as oportunidades do mercado e como alguns segmentos não foram tão impactos pela Covid-19 como o alimentício, farmacêutico, agrícola, dentre outros – diz Ricardo.

E apesar da queda nas vendas em abril, a empresa conseguiu os índices nos meses seguintes, mantendo a média de comercialização em todo país.

Questionado sobre a possibilidade de lançamentos nos próximos meses, Barion relembra os modelos expostos na Fenatran, na Alemanha, em 2019, cujo destaque está na forma de consumo dos veículos – nenhum era movido a diesel (todos eram a gás ou elétricos). O modelo que mais se aproxima no Brasil é o Daily (lançado em março deste ano), no qual a cabine é totalmente elétrica (versão europeia), seguindo os parâmetros dos veículos apresentados na Feira. “Porém, a parte mecânica não acompanha, pois no Brasil ainda não temos infraestrutura para caminhões deste tipo. Mas estamos sempre de olho nas demandas e trabalhando para trazer novidades”.

– Nos últimos cinco anos temos investido no Brasil e vamos continuar as ações. Desde a ampliação da planta a inauguração de novas concessionárias – destaca o diretor comercial da IVECO.

Estratégias para o segundo semestre

– O Brasil não para. Percebemos o quanto precisamos do trabalho dos caminhoneiros, principalmente durante a pandemia, que não podiam parar de jeito nenhum. Nosso país ainda está num patamar muito baixo de caminhões. E, com isso, no segundo semestre deve voltar o crescimento no país. A nossa planta está apta a produzir da mesma forma que no primeiro trimestre. As nossas projeções têm um viés de alta, um otimismo que volta de acordo com a confiança do consumidor. E, como sempre, precisamos estar próximos dos caminhoneiros – destaca Barion.

Veículos pesados

Chico aponta que o setor do agronegócio é um dos que mais se destaca quando se fala de transporte rodoviário de cargas e, para entender melhor sobre o posicionamento da IVECO neste mercado, questiona se há veículos que atendem tais demandas.

– O principal caminhão da linha de pesados – e mais vendido – é High Way 6×4, com 480c, que foi o principal veículo vendido esses meses, principalmente para o setor agrícola, que não parou no período de pandemia – destaca o diretor comercial da IVECO.

Renovação de frota

Para Barion, o tema é de extrema importância e precisa ser debatido. “Estamos preocupados com o país, com a situação atual, na qual os veículos não atendem mais as demandas devido ao tempo de uso”.

A ideia seria oferecer crédito para os caminhoneiros para que possam renovar sua frota, trocando para um veículo mais novo (não necessariamente zero), mais seguro, potente e econômico – complementa Ricardo.

Infraestrutura para atender os clientes IVECO

– Fizemos uma grande reestruturação das redes de concessionárias, substituindo-as (aproximadamente 60% das unidades) nos cinco últimos anos, pois havia pontos de venda, em locais estratégicos, que perderam o sentido. Por outro lado, já os pontos de atendimento de pós-venda cresceram – explica o representante.

Barion destaca que há a previsão de inauguração de novas concessionárias (mais seis) até o fim do ano. “A rede está crescendo e é presente em 98% do mercado brasileiro, pois a IVECO está onde os caminhoneiros precisam, nos pontos mais importante do Brasil”, conclui.

Comentarios