DAF Caminhões completa três anos de produção no Brasil com 59% de crescimento

Chico da boleia visitou a fábrica da montadora em Ponta Grossa que produzirá quatro caminhões por dia


Mesmo num cenário de crise e retração, a DAF Caminhões sempre investiu e apostou no mercado brasileiro. Neste mês de outubro, a marca, uma das líderes no mercado europeu e subsidiária da PACCAR Inc, celebra três anos de operação na fábrica de Ponta Grossa, Paraná. Segundo dados oficiais, foram mais de 1.400 caminhões vendidos em todo o período de 3 anos, sendo 436 unidades no acumulado de janeiro até julho de 2016. Essa quantidade garante crescimento de 59% nas vendas em relação ao mesmo período do ano anterior.

A linha de produção está desde o início em constante evolução. A partir deste mês, a fábrica paranaense passa a produzir quatro caminhões por dia. Na mesma data, em 2015, eram registrados dois veículos por dia. A linha de motores, inaugurada no final do ano passado, acompanha o aumento na produção diária.

As conquistas até o terceiro ano são bem representadas pelos números, porém, também incluem o reconhecimento da marca no Brasil. Em 2016 a DAF Caminhões foi eleita como “Marca do Ano”, na categoria de Caminhões e Ônibus, pela Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores).

Chico da Boleia foi convidado para conhecer a fábrica da DAF caminhões em Ponta Grossa, no Paraná, no último dia 6 de outubro, convite que aceitou com muita satisfação. Durante a visita, pode conhecer a linha de montagem, os processos que envolvem a fabricação de um caminhão e o desenvolvimento em engenharia e tecnologia aplicada.

michael-kuester_005

“O nosso projeto vai avançando bem. O mercado mudou muito, nossa expectativa era de 200 mil caminhões, mas no meio do caminho esse número foi alterado por uma série de fatores. Mas, de forma geral, o mercado brasileiro atende as nossas expectativas e nós apostamos muito nele”, afirmou Michael Kuester, Presidente da DAF Caminhões Brasil, em entrevista com Chico da Boleia.

Kuester também declarou que é um desafio muito grande atravessar por esse atual momento de crise, mas que o foco agora está nas vendas dos caminhões. A DAF Caminhões começou, de acordo com Kuester, com uma fábrica menor, produzindo poucos caminhões. No entanto, com uma estrutura de produção consolidada a ideia é que a DAF aposte nas vendas para crescer ainda mais no mercado de caminhões brasileiros.

Chico da Boleia perguntou sobre as estratégias de vendas da DAF que podem estar atreladas às condições de juros e financiamentos facilitados por bancos do e programas do governo. Michael Kuester reiterou que toda facilidade é bem vinda. “Nós queremos previsibilidade, precisamos de um financiamento e de um programa que apoie nossos compradores a longo prazo e que não seja interrompido na metade da vigência”, declarou.

O executivo também falou sobre a fábrica de Ponta Grossa. Ele reconhece que a mescla DAF e PACCAR traz bons resultados em termos de crescimento. “Ter aqui pessoas que vem de outras montadoras, de outras atividades, fez com que nosso time tivesse que se adaptar a essa pluralidade. Foi uma mistura de coisas muito positiva.”, afirmou.

daf-12
Foto: Chico da Boleia

Para os próximos anos, a DAF pretende continuar investindo no Brasil e acelerar a produção para chegar à marca de quatro caminhões produzidos ao dia. “Vamos investir em ferramentas, estacoes de trabalho, ou seja, investimento interno. Também pretendemos investir em peças para concessionários e clientes para atender melhor dentro das nossas perspectivas.”, afirmou o Presidente da montadora.

Mas os investimentos não se limitam à área de produção. Michael Kuester afirmou que é preciso investir também nas equipes, incluindo na ampliação do time comercial, para ter profissionais qualificados e atualizados com o setor.

Chico da Boleia também teve a oportunidade de conversar com Antenor Frasson Junior, Diretor de vendas, quem falou sobre as estratégias para o mercado de caminhões para os caminhoneiros autônomos.

“Esse segmento pra nós tem uma importância muito grande. Nós tentamos criar estratégias comerciais para atingi-lo e uma delas é a nossa caravana “Roda Brasil”, onde a gente vai percorrer 19 cidades do território brasileiro. A ideia é que os caminhoneiros conheçam os caminhões DAF, entrem neles, tenham contato e conheçam todos os diferenciais da marca”, frisou Antenor.

Conforto, dirigibilidade e durabilidade são alguns dos itens nos quais a DAF Caminhões aposta para ganhar o público dos caminhoneiros autônomos. “As cidades são escolhidas de acordo com a existência das concessionárias, porque são elas que nos dão todo o apoio necessário, com vendedores, gerentes, mostrando os caminhões e também toda estrutura que o caminhoneiro terá acesso”, explicou Antenor.

Atualmente, a montadora produz no país somente caminhões pesados, acima de 40 toneladas, e esse segmento tem mostrado uma recuperação mais rápida dentro do mercado. Do volume de vendas conquistado pela marca até hoje, cerca de 10% foi de caminhões vendidos para caminhoneiros autônomos.

xf105_003

Em três anos de produção do mercado brasileiro, Frasson Junior também comentou sobre a aceitação dos caminhões DAF pelo mercado nacional. “As marcas que estão no mercado brasileiro são basicamente as europeias, mas a marca DAF já tem 88 anos na Europa, então não é a primeira vez que a gente se arrisca pelo mundo. Mas o Brasil, hoje, é o principal foco de investimento da DAF fora da Europa e na América Latina. Nós olhamos com bons olhos para esse mercado daqui e dependemos dele para continuarmos crescendo”, concluiu.

Confira + Fotos

DAF comemora três anos de produção

Redação Chico da Boleia com informações BRCom Comunicação

Comentarios