Caminhões acentuam queda em agosto

max-caminhc3b5es

Vendas internas recuaram 43,5% e produção regrediu ainda mais, 46,7%

O mês de agosto aprofundou a queda no setor de caminhões. As vendas em agosto somaram somente 5,8 mil unidades, registrando recuo de 10,5% ante julho, que já havia mostrado números ruins. O acumulado do ano soma 49,6 mil unidades e retração de 43,5% ante o mesmo período de 2014. Para os modelos pesados a queda foi ainda mais acentuada, de 60,7%. Os dados foram divulgados pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

A produção até agosto totalizou 53,4 mil caminhões, resultando em decréscimo de 46,7% ante os mesmos meses de 2014. A queda vai se acentuar ainda mais: “Setembro e também outubro ainda serão meses de produção reduzida”, adverte o presidente da Anfavea, Luiz Moan, em razão de os estoques da indústria automobilística terem atingido 52 dias.

A produção de caminhões pesados no País até agosto somou 14,5 mil unidades, 59,9% menor em relação aos mesmos meses do ano passado. O segmento menos afetado, o de semileves, registrou queda expressiva de 19% no período.

EXPORTAÇÕES TÊM ALTA DE 9,6%

O envio de caminhões ao exterior teve acréscimo de 9,6% com suas 13,5 mil unidades. Os embarques ganharam importância com o fraco mercado interno. Embora pequeno, o número equivale a 25,3% da produção local de janeiro a agosto. Os principais clientes do Brasil são Argentina, África do Sul e Peru, nesta ordem.

Os fabricantes aguardam agora a definição de novos acordos comerciais, como o que se aproxima com a Colômbia, a fim de aumentar as exportações.

RETRAÇÃO EM ÔNIBUS É MENOR

Os licenciamentos de ônibus de janeiro a agosto somaram 12,4 mil unidades e registraram queda de 29,9% ante os mesmos meses de 2014. A produção local somou 16,9 mil chassis no período, 32,5% a menos.

Os modelos rodoviários tiveram pequena alta de 5%, enquanto os veículos urbanos recuaram 40,2%. As exportações do segmento neste ano somaram 4,5 mil unidades e tiveram peso de quase 27% na produção local desses veículos. Os maiores compradores do Brasil são Argentina, Paraguai e Chile.

ARLA 32: FRAUDES PREOCUPAM ANFAVEA

Durante o encontro mensal da Anfavea com os jornalistas, o vice-presidente da entidade e diretor de relações institucionais da Mercedes-Benz do Brasil, Luiz Carlos Moraes, falou aAutomotive Business sobre a preocupação da entidade com as fraudes praticadas para burlar o uso do Arla 32, o agente à base de ureia injetado em sistemas de pós-tratamento SCR de veículos a diesel para redução de emissões. Existem motoristas e frotistas que estão adulterando o controle eletrônico de caminhões para não gastar com o Arla 32.

Moraes lembrou também a necessidade de implantação de um programa de renovação de frota que ajude a retirar das ruas caminhões mais velhos, inseguros e poluentes.

fonte: Automotive Business / Blog caminhoes e carretas

Comentarios