6 anos de muita estrada

Quando começamos a desenhar o projeto Chico da Boleia, nos deparamos com a seguinte questão: quais são as necessidades de um (a) caminhoneiro (a)? A verdade é que, ao longo de seus anos construindo e tornando realidade esse projeto, nos deparamos com a seguinte resposta: as necessidades são muitas.

Trabalhando diariamente com caminhoneiros e caminhoneiras, descobrimos que as necessidades vão desde uma legislação mais coerente com a profissão, até mais afeto e amor para com os profissionais.

Para os motoristas, ainda faltam mais infraestrutura, fretes dignos, valorização por parte da sociedade e medidas que possam protegê-los e ampará-los. O dia a dia do trecho implica uma série de riscos, e esses trabalhadores estão sujeitos a uma carga horária extremamente pesada, o que pode levar a problemas de saúde, psicológicos e, até, uso de drogas e álcool.

A saudade também é uma constante na vida desses profissionais. Longe de casa, muitos deles não acompanham como gostariam o crescimento dos filhos. Perdem aniversários, natal, réveillon, batizados, formaturas e muitos outros eventos comemorativos que fazem parte da vida de qualquer pessoa. Aos caminhoneiros e caminhoneiras, ainda falta acesso à cultura, educação e à informação de qualidade.

Diante de tudo isso, há 6 anos trabalhamos para “conquistar o coração do caminhoneiro (a)”. Acreditamos que essa categoria tem muito potencial e valor, além de ser imprescindível não só para a economia, mas também para a sociedade como um todo. Os caminhoneiros e caminhoneiras do Brasil são também cidadãos e cidadãs, responsáveis pelo desenvolvimento do país em todos os sentidos.

Como veículo de comunicação voltado para essa categoria, buscamos informações de qualidade e que possam atender às demandas dos profissionais. Estamos presente nos eventos, lançamentos, debates, festas, feiras, atividades culturais. Temos parcerias com sindicatos, tanto de empresas de transporte como de caminhoneiros e caminhoneiras autônomos e, buscamos, junto às entidades, construir propostas de valorização dos profissionais.

Por entender que discutir uma legislação adequada às necessidades da categoria é fundamental para a melhoria do setor, realizamos duas edições do Debate sobre a Lei 12.619 com Chico da Boleia. Em ambas as ocasiões, convidamos especialistas sobre o tema com diferentes opiniões e tivemos boa participação do público caminhoneiro.

Vale notar que nos debates, tivemos uma resposta bastante positiva dos caminhoneiros. Interessados e participativos, muitos alegaram que faltam eventos que chamem os autônomos e autônomas para discutirem as leis que lhes dizem respeito.

Atualmente, a lei acabou se modificando (Lei 13.103/2015), mesmo à revelia da vontade, sobretudo, dos sindicatos de autônomos. Nós nos posicionamos contrários à flexibilização da jornada de trabalho e ao aumento do número de horas na direção, bem como a diminuição das horas do descanso obrigatório.

Infelizmente, o legislativo brasileiro, apoiado nos sindicatos de empresas de transporte, votou pela alteração da Lei. Mas nós não esmorecemos e continuamos construindo debates e alternativas para a melhoria das condições de trabalho dos caminhoneiros e caminhoneiras.

Ao longo desses 6 anos de existência, nós também compartilhamos muito alegria com nosso público caminhoneiro. Nas festas e feiras do setor, com atividades voltadas para o lazer, vivenciamos uma série de experiências positivas e pudemos constatar a alegria dos caminhoneiros e caminhoneiras em passar momentos com a família e amigos.

fotomaluka
Grupo de Amigos do Boqueirão e Chico da Boleia na Etapa da Fórmula Truck de Curitiba.

Durante as etapas da Fórmula Truck, que acompanhamos desde o início do nosso projeto, constatamos a presença massiva de caminhoneiros e caminhoneiras. Estivemos nas arquibancadas, nos boxes, nos camarotes, dentro e fora dos autódromos, registrando as atividades e a festa que fazem os amantes dos brutos mais rápidos da América Latina.

Visitamos montadoras, acompanhamos lançamentos, participamos da escolha do melhor motorista de caminhão do Brasil, seguimos uma série de procissões que reuniram muitos devotos de São Cristóvão e Nossa Senhora Aparecida. Em cada boleia, vimos o amor ao cristianismo e os pedidos de proteção.

Em 6 anos, nos apaixonamos pelas estradas e pelos estradeiros e estradeiras. Descobrimos que, apesar de toda dificuldade, a profissão de motorista de caminhão é mágica e pode nos levar a lugares incríveis. Hoje, temos ainda mais convicção do papel fundamental desempenhado por essa categoria na nossa sociedade.

Trabalhamos em prol da valorização do caminhoneiro e da caminhoneira. Lutamos para alcançar a igualdade de condições de trabalho, independente do gênero do trabalhador. Somos defensores incansáveis da proteção de crianças e adolescentes e repudiamos todo e qualquer tipo de exploração sexual em rodovias. Também nos dedicamos a combater o racismo, os preconceitos e à exclusão.

Acreditamos que é possível construir um país mais justo e mais igual para todos e todas e que os caminhoneiros e caminhoneiras são parte importante e indissociável desse processo.

Companheiros e companheiras das estradas! Foi um longo caminho percorrido até aqui, mas a estrada ainda é longa. Por isso, continuaremos a desbravá-la, sempre com muito orgulho de ser caminhoneiro (a). Contamos com vocês!

Chico da Boleia
Orgulho de ser caminhoneiro (a).

Comentarios