Tensões entre Ucrânia e Rússia devem impactar o preço de combustíveis no Brasil

Somente na manhã desta quinta-feira (24), o preço do barril de petróleo Brent alcançou US$ 100,04 pela primeira vez desde setembro de 2014. (Foto: reprodução/Freepik)

Tensões entre Ucrânia e Rússia devem impactar o preço de combustíveis no Brasil

Executivo do setor analisa momento e consequências para o mercado brasileiro que, mais uma vez, deve sofrer com aumentos consideráveis

Os últimos acontecimentos registrados sobre a invasão da Rússia à Ucrânia despertaram dúvidas negativas não só na Europa e nos Estados Unidos, mas também em todos os países que mantêm parcerias políticas e comerciais com as duas nações em conflito.

Somente na manhã desta quinta-feira (24), o preço do barril de petróleo Brent alcançou US$ 100,04 pela primeira vez desde setembro de 2014 e as projeções realizadas por especialistas indicam que este valor pode atingir os US$ 120 até o final de fevereiro. Sendo o segundo maior produtor de petróleo do mundo, a Rússia tem a capacidade de produção de mais de 10 milhões de barris por dia, o que pode ser afetado diretamente pelos últimos conflitos.

De acordo com Ricardo Lerner, executivo do setor de logística de combustíveis e CEO do Gasola, uma startu focada em realizar negociações democráticas entre transportadoras e postos de combustíveis a fim de apresentar melhores preços para empresas que possuem frota, “os impactos nas bombas de combustível irão depender de ações diplomáticas e dos desdobramentos da geopolítica mundial que deixam o mercado volátil e as cotações de dólar instáveis. Essas duas variáveis irão impactar o cálculo de preço do combustível e mudanças no cenário internacional impactam o mercado nacional, de acordo com o preço de paridade de importação (PPI) praticado pela Petrobras desde 2016, o que significa que a definição dos valores cobrados nas destilarias de petróleo serão a mesma da cotação no mercado internacional, onde a tendência é de aumentos consideráveis”.

Como consequência dos desdobramentos econômicos gerados pelo conflito entre a Rússia e a Ucrânia, os preços dos combustíveis terão o reajuste de até 10%, e as projeções indicam que os consumidores brasileiros chegarão a pagar, em média, até R$ 9,50 pelo litro da gasolina comum. Em relação ao diesel, com sua última alta anunciada dia 11 de janeiro, na qual o preço do diesel subiu de R$ 3,34 para R$ 3,61, as previsões, segundo especialistas, apontam que o valor pode chegar a R$ 6,51 em alguns estados do país.

– Já para os próximos dias prevemos um aumento inicial de aproximadamente 25 centavos no preço do diesel. Isso pode ser apenas o começo de mais uma grande onda de aumento – finaliza Ricardo.

Fonte: NTC&Logística e Gasola

Comentarios