Sindicatos do Petróleo e Transporte se manifestam contra “nova” taxa no óleo diesel

O Sindicato dos Varejistas de Derivados de Petróleo (Sindipetróleo) e o Sindicato das Empresas de Transporte de Carga (Sindmat) se posicionaram contra a proposta de incrementar a taxação do óleo diesel para conseguir recursos com objetivo de sanar a crise na saúde pública. Para eles, a majoração de qualquer imposto penaliza a sociedade como um todo e pode por alguns setores em cheque.

A reação faz referência a proposta estudada pela equipe econômica do Governo, de suspender o crédito de outorga dado a distribuição do óleo diesel no valor de R$ 0,021, mesmo valor da cobrança do Fethab Diesel. Com isso, seria criado uma espécie de “Fethab Diesel 2”, do qual, 75% ficaria com o Governo do Estado e 25% com os municípios, exclusivamente para gastos em saúde.

“O consumidor final será penalizado. Quanto às transportadoras, se elas passam por dificuldades, isso também afeta os postos. São empresas que deixam de abastecer”, afirmou o diretor-executivo do Sindipetróleo, Nelson Soares Junior. “O transporte já está sendo penalizado com a recessão econômica. Estamos vendo muitas empresas entrando em recuperação judicial. Não há mais espaços para ceder a aumento de impostos”, completou Eleus Vieira de Amorim, presidente do Sindmat.

Ambos participaram de uma reunião com o deputado estadual Dilmar Dal’Bosco (DEM), na manhã desta quarta, quando as entidades defenderam a regularização fundiária como uma das saídas para destinação de mais recursos para a área da saúde.

De acordo com a assessoria do Sidpetroleo, o deputado entendeu a reivindicação do setor e se comprometeu a conversar com o governo. “Acreditamos que o governador Pedro Taques resolverá a questão da saúde sem que toda a população seja impactada pelo aumento de impostos”, pontuou Dilmar.

Fonte: Olhar Direto

Comentarios