Petrobras anuncia reajuste de 14,2% no preço do diesel

O último reajuste do diesel foi realizado no dia 10 de maio e o da gasolina ocorreu no dia 11 de março. (Foto: divulgação/Petrobras)

Petrobras anuncia reajuste de 14,2% no preço do diesel

Distribuidoras passarão a pagar mais também pela gasolina, a partir deste sábado (18)

Redação Chico da Boleia

A Petrobras anunciou nesta sexta-feira (17) que fará novo reajuste nos preços dos combustíveis a partir deste sábado. De acordo com a estatal, as distribuidoras pagarão 14,2% a mais no valor do diesel, que passará de R$ 4,91 para R$ 5,61 por litro. Já a gasolina, que custava R$ 3,86, aumentará para R$ 4,06.

O último reajuste do diesel foi realizado no dia 10 de maio e o da gasolina ocorreu no dia 11 de março. A empresa afirmou, por meio de nota, que “entende o momento que o país e o mundo vivem e os reflexos que os preços dos combustíveis têm na vida dos cidadãos”.

– Nesse sentido, a companhia tem buscado o equilíbrio dos seus preços com o mercado global, mas sem o repasse imediato para os preços internos da volatilidade das cotações internacionais e da taxa de câmbio. Esse posicionamento permitiu à Petrobras manter preços de GLP estáveis por até 152 dias; de diesel por até 84 dias; e de gasolina por até 99 dias. Esta prática não é comum a outros fornecedores que atuam no mercado brasileiro que ajustam seus preços com maior frequência, tampouco as maiores empresas internacionais que ajustam seus preços até diariamente – destaca a estatal.

O anúncio ocorre dois dias após a Câmara dos Deputados votar e aprovar o Projeto de Lei Complementar (PLP) 18/2022, que limita a aplicação de alíquota sobre o Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre combustíveis. Ou seja, o objetivo é reduzir a taxa cobrada pelos estados, principalmente pela gasolina e diesel, minimizando o impacto do custo dos mesmos para o consumidor. O texto segue para sanção presidencial.

Com o novo reajuste da Petrobras, o PLP pode não ter o resultado esperado pelo Governo Federal. É importante destacar que essa redução do ICMS seria de menos de R$ 2 pelo litro do combustível nas bombas.

A Petrobras pratica o Preço de Paridade de Importação (PPI), que tem como base a cotação do dólar. Com a inconstância do mercado internacional e a oscilação da moeda, impactando diretamente o valor do barril do petróleo, a empresa decidiu realizar novo reajuste “buscando equilíbrio junto ao mercado global”.

Posicionamento do governo

O presidente Jair Bolsonaro fez duras críticas à Petrobras pelo novo reajuste em seu perfil no Twitter.

O Governo Federal como acionista é contra qualquer reajuste nos combustíveis, não só pelo exagerado lucro da Petrobras em plena crise mundial, bem como pelo interesse público previsto na Lei das Estatais – postou o presidente.

Em seguida, ele citou a possibilidade de uma greve de caminhoneiros, em decorrência do preço dos combustíveis.

– A Petrobras pode mergulhar o Brasil num caos. Seus presidente, diretores e conselheiros bem sabem do que aconteceu com a greve dos caminhoneiros em 2018, e as consequências nefastas para a economia do Brasil e a vida do nosso povo – destacou.

O presidente ainda propôs uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a estatal.

Já o alto escalão do governo passou a exigir a demissão do atual presidente de Petrobras.

*Com informações da Agência Brasil

Comentarios