FreteBras apresenta recomendações para evitar os sete pecados capitais do frete rodoviário

Além de dicas de segurança, o material ainda ressalta a importância do controle de gastos durante o trajeto pelas estradas e os cuidados necessários com o caminhão. (Foto: ilustrativa/Fretebras)

FreteBras apresenta recomendações para evitar os sete pecados capitais do frete rodoviário

Orientações tem como objetivo auxiliar transportadores a evitar ciladas na hora de buscar cargas, além de trazer dicas importantes sobre cuidados com o caminhão

Com objetivo de ajudar os transportadores a realizar o transporte de cargas com mais segurança e rentabilidade, a FreteBras, maior plataforma online de transporte de cargas da América do Sul, criou uma série de recomendações que chamou de os ‘Sete Pecados Capitais do Frete Rodoviário’. Além de dicas de segurança, o material ainda ressalta a importância do controle de gastos durante o trajeto pelas estradas e os cuidados necessários com o caminhão.

– O ano não tem sido fácil para o transporte rodoviário de cargas. A pandemia tem causado muitos desafios, tanto no que diz respeito à saúde dos motoristas quanto na rentabilidade dos transportadores. A alta nas contaminações por Covid, a crise econômica, incertezas políticas, tudo isso tem colaborado para um cenário de enormes desafios, mas acreditamos que alguns cuidados podem ajudar na hora de negociar e realizar o frete – explica Bruno Hacad, Diretor de Operações da FreteBras.

Confira abaixo os sete pecados capitais do frete rodoviário:

1) Gula

Não vá com muita sede ao pote, cuidado com o conhecido “fretão”. Se o preço do frete oferecido for muito superior ao praticado pelo mercado, redobre a atenção. Consulte colegas que já fizeram o trajeto para saber se está dentro da média de mercado. Da mesma forma, as transportadoras devem ficar atentas aos motoristas que oferecem levar uma carga por um preço muito abaixo do praticado, o famoso “fretinho”. Pode ser cilada também.

2) Avareza

A manutenção preventiva com inspeções periódicas vai prolongar a vida útil do caminhão, assim como a redução da sobrecarga de elementos importantes, como amortecedores, motor e freios. Desse modo, os veículos ficam seguros e garantem mais economia. Não seja econômico na hora de cuidar do seu caminhão, lembre-se sempre de incluir despesas com manutenção, troca de pneus e lubrificantes no custo do seu frete.

3) Luxúria

Cuidado com os gastos não planejados durante o transporte de cargas. Trace bem a sua rota, escolha sempre os caminhos com menos pedágios, analise os diversos custos envolvidos no trajeto e evite tentações, como carregar mais do que o peso limite da carreta para ter sempre o lucro do frete garantido.

4) Ira

Transportadoras e caminhoneiros dependem um do outro, mas a relação entre as partes muitas vezes gera tensão. Tratar o próximo com dignidade e respeito é premissa para uma relação positiva e duradoura. Lembre-se disso na hora de negociar os fretes.

5) Inveja

O frete do outro nem sempre é melhor que o seu, assim como a grama do vizinho nem sempre é mais verde. Cada transportador tem uma realidade e condições únicas, então busque sempre olhar para a realidade do seu próprio negócio, controlando seus gastos e ganhos. Busque no outro a inspiração, mas faça adaptações para o seu dia a dia e a sua realidade.

6) Preguiça

Não tenha preguiça de tomar os passos necessários para um trajeto mais seguro. Verifique a rota, consulte o endereço de entrega, consulte as avaliações no site da FreteBras, fale com parceiros e amigos. Busque referências para rodar sempre com segurança.

7) Soberba/Vaidade

Ao terminar um frete realizado por meio do aplicativo FreteBras, lembre-se de utilizar a avaliação de mão dupla para classificar a outra parte. Mas tenha em mente que você também será avaliado, portanto seja humilde, evite fazer juízos de valor ou ataques diretos. Utilize exemplos para demonstrar como foi a negociação do frete. O momento tem sido desafiador para todos, portanto, faça a sua avaliação com transparência, objetividade e cautela.

Comentarios