Childhood Brasil e Fundação Bunge embarcam juntas no enfrentamento de exploração sexual de crianças e adolescentes com aquaviários

Principal estratégia é sensibilizar operadores de embarcações  que atuam na rota entre Itaituba e Barcarena no Pará

Desde 2006, a Childhood Brasil trabalha pela proteção de crianças e adolescentes contra exploração sexual nas estradas através do Programa Na Mão Certa.  As rodovias são locais de muita vulnerabilidade para crianças e adolescentes e a exploração sexual acontece em diversos pontos. Nos últimos 10 anos mais de 1.600 empresas e entidades empresariais aderiram ao enfrentamento, possibilitando a formação de mais de 3.000 colaboradores dessas empresas e entidades e, alcançando mais de 1 milhão de caminhoneiros sensibilizados como agentes de proteção.

Em 2017, nasce no Programa Na Mão Certa a categoria Aquaviários, com o objetivo de enfrentar a exploração sexual no modal fluvial de transporte de carga e pessoas.  Seguindo os mesmos compromissos de proteção assumidos nas rodovias brasileiras, as empresas participantes do Programa agora podem atuar nas suas operações fluviais, em especial, na região Norte considerada de grande vulnerabilidade para crianças e adolescentes de comunidades ribeirinhas. A primeira empresa a implantar a nova categoria e, além de apoiar seu desenvolvimento, é a Bunge Brasil, via Fundação Bunge, que aderiu ao Pacto Empresarial contra a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Brasileiras em 2015.

O primeiro passo é o treinamento de 25 colaboradores da operação da Bunge Brasil para atuarem como multiplicadores dos direitos de crianças e adolescentes, em especial, contra violência sexual. Esses multiplicadores levarão informação para 150 tripulantes do modal aquaviário num processo de educação continuada. Os Aquaviários serão os agentes de proteção de crianças e adolescentes contra a exploração sexual nas hidrovias. Esses profissionais possuem um perfil bem diferente dos caminhoneiros. São funcionários da empresa, na faixa de 40 anos, com ensino médio completo e uma formação específica para exercício da profissão. Em sua grande maioria são pessoas que não são e não vivem na região, passando 20 dias embarcados e com 10 dias de folga (quando retornam para seu local de origem).

A importância estratégica deste novo modal no Programa Na Mão Certa está alinhada com as mudanças que vem ocorrendo para o escoamento de grãos do Brasil para o mundo.  A rota original por estradas até os portos de Santos e Paranaguá vem sofrendo alteração com a criação de terminais intermodais para exportação de produtos agrícolas em novos portos privados na região Norte. A expectativa é que novos terminais  de empresas privadas sejam instalados em Itaituba e cerca de 3 mil caminhões chegam por dia.

Números do Disque 100 de 2016 revelam ainda que o percentual de denúncias de Violência Sexual no Pará estão muito acima da média nacional (31% contra 21% da média do país). Essas denúncias reforçam a existência do problema no Estado mas, ao mesmo tempo, existe um desconhecimento do Disque 100 em municípios como Barcarena e Itaituba. Enquanto no Pará ocorreram 642 denúncias de violência sexual contra crianças e adolescentes no ano passado, os dois municípios somados tiveram apenas 17 denúncias registradas no Disque Direitos Humanos (Disque 100).

Entre as ações já realizadas em Barcarena e Itaituba estão à implantação do Projeto de Educação Continuada, que estabelece a troca de experiências e informações com caminhoneiros. Multiplicadores do Programa Na Mão Certa vem trabalhando desde 2015 realizando rodas de conversa sobre o problema. Agora, para ampliar esta atuação, mais multiplicadores foram capacitados para atuação com os Aquaviários na conscientização pela proteção de crianças e adolescentes. Um Guia foi especialmente produzido para os Aquaviários sobre a questão dos direitos da criança e do adolescente trazendo informação sobre como agir diante de situações suspeitas e violações reforçando o papel de agentes de proteção para a transformação dessa realidade nas comunidades ribeirnhas.

Sobre a Chilhood Brasil

É uma organização brasileira que trabalha, desde 1999, para influenciar a agenda de proteção da infância e adolescência no país. A organização tem o papel de garantir que os assuntos relacionados ao abuso e a exploração sexual de crianças e adolescentes sejam pauta de políticas públicas e do setor privado, oferecendo informação, soluções e estratégias para as diferentes esferas da sociedade. A Childhood Brasil é certificada como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip) e faz parte da World Childhood Foundation (Childhood), instituição internacional criada pela rainha Silvia da Suécia.

 

Comentarios