Tempo seco eleva riscos de queimadas nas rodovias; motoristas devem redobrar atenção

Último mês do inverno concentra cerca de 20% do total de incêndios à beira de rodovias
de todo o ano; fumaça reduz visibilidade e aumenta o risco de acidentes 

Mês em que se encerra o inverno, setembro exige dos motoristas atenção redobrada por causa das queimadas na beira das rodovias, comuns devido à baixa umidade do ar nessa época do ano. O clima seco deixa a vegetação propícia para o alastramento do fogo. Setembro está sempre entre os meses em que ocorre maior número de queimadas à beira das rodovias. Nos últimos dois anos, este mês registrou cerca de 20% do total de casos registrados. Até o fim do inverno, como parte das ações para reduzir as ocorrências desse tipo, a ARTESP – Agência de Transporte do Estado de São Paulo – e as concessionárias das rodovias promovem a Operação Corta Fogo, da qual fazem partes órgãos como a Secretaria do Meio Ambiente do Estado, o Corpo de Bombeiros, a Defesa Civil Estadual, entre outros.

Em 2012, das 5.389 queimadas ocorridas na área de domínio das rodovias sob concessão, 1.147 (21,2%) foram verificadas no mês de setembro, que ficou atrás apenas de agosto, que teve 1.310 casos. Já em 2011, o mês de setembro foi o líder em incêndios à beira das estradas sob concessão, com 1.232 ocorrências, ou 18,4% das 6.668 registradas no ano. O segundo mês com maior número de casos naquele ano foi julho (1.231). A oscilação no total de ocorrências de um ano para outro se deve a fatores climáticos que deixam o tempo mais ou menos seco. Nas rodovias, além de provocarem danos ambientais, as queimadas reduzem a segurança já que a fumaça prejudica a visibilidade dos motoristas, aumentando o risco de colisões traseiras.

Uma das principais causas de queimadas no Estado é o lançamento nas rodovias de bitucas de cigarros pelas janelas dos veículos. A vegetação seca vira combustível para o fogo. Outros geradores são a utilização de fogo para limpeza de terrenos, queima de lixo, fogueiras, queimadas para fins agrícolas não autorizadas e também os balões. Nas faixas de domínio das rodovias, além das bitucas, grande número de focos é provocado pela população vizinha à estrada ou transeuntes, principalmente nas áreas mais próximas aos aglomerados urbanos.

Dicas. Entre as dicas para evitar as queimadas estão: não atirar cigarro ou fósforos acesos às margens de rodovias; não soltar balões; evitar acender fogueiras perto de matas e em dias de vento. Caso o motorista se depare com uma queimada, ele deve reduzir a velocidade, fechar o vidro do veículo, manter distância segura do veículo da frente, trafegar com farol baixo aceso; não ligar o pisca alerta com o veículo em movimento e não parar na faixa de rolamento. Caso o motorista se depare com um trecho com queimada, pode ligar para o Corpo de Bombeiros (193); o Dique Ambiente (0800-113-569); a Polícia Militar Ambiental (0800-0555-190); ou para a concessionária que administra a rodovia onde o incêndio foi verificado.

Concessionárias. Para agilizar o combate aos incêndios na mata localizada na faixa de domínio das rodovias, carros-pipas de concessionárias ficam localizados em pontos estratégicos ao longo das vias. Algumas concessionárias dispõem ainda de tanques rebocáveis e também firmaram parcerias com usinas, indústrias e outros estabelecimentos empresariais com estrutura para o combate ao fogo. Nos casos mais graves, o Corpo de Bombeiros é acionado.

A concessionária que mais registrou ocorrências de queimadas em sua área de domínio em 2011 e 2012 foi a Autoban, responsável pelo sistema Anhanguera-Bandeirantes. No ano passado, a concessionária anotou 1.439 casos, sendo 301 (20,9%) em setembro. Em 2011, foram 1.750 ocorrências nas rodovias da Autoban (e novamente 310, ou 17,2% no mês de setembro). De acordo com a concessionária, além de campanha educativa são realizadas ações como o recolhimento de lixo doméstico jogado na beira da estrada por moradores vizinhos à rodovia, coleta de grama e galhos gerados no processo de poda e feitos aceiros (trecho sem vegetação) entre a faixa de domínio e as propriedades lindeiras à rodovia.

A Renovias aparece em segundo no ranking de queimadas. A concessionária administra as rodovias SP-340 e SP-342 e parte das SP-215, SP-344 e SP-350, estradas responsáveis pela ligação entre Campinas, Circuito das Águas Paulista e Sul de Minas Gerais. Em 2012, foram 712 queimadas na área sob concessão da Renovias (153 ou 21,4% em setembro). No ano anterior, foram 770 ocorrências, das quais 137 (17,7%) em setembro. A Renovias informa que em campanhas educativas, além dos motoristas, o público alvo são as comunidades vizinhas à rodovia. De acordo com a concessionária, as queimadas mais graves estão relacionadas aos moradores de áreas lindeiras que ateiam fogo de maneira aleatória e desordenada nas suas propriedades.

fonte: artesp

Comentarios