Saiba quais remédios e exames aumentam riscos de acidentes de trânsito

Especialista reforça a importância de seguir as recomendações médicas sempre que o motorista iniciar algum tratamento. (Foto: reprodução/Freepik)

Saiba quais remédios e exames aumentam riscos de acidentes de trânsito

Alguns tratamentos e medicações podem provocar sonolência, desatenção e redução de reflexos, médicos explicam as recomendações para dirigir em segurança

Na tarde do dia 15 de março, uma mulher capotou o carro na Rodovia Rio-Santos, em São Paulo, depois de sofrer um mal súbito enquanto dirigia para casa após passar por uma endoscopia. Segundo médicos, a realização desse exame exige o uso de anestésicos que podem causar efeitos sedativos prolongados, exigindo um tempo de recuperação de, pelo menos, oito horas. “Estas drogas podem, mesmo após o despertar ao fim do exame, levar a graus variáveis de sedação residual e provocar amnésia anterógrada (para fatos recentes). É possível, assim como o paciente sob efeito do álcool, perder a consciência, reflexos e memória”, afirma o cirurgião e médico do tráfego Rui Lafaiete Brasil Júnior.

Segundo Brasil Júnior, por um período variável entre 8 e 12 horas, pacientes que recebem sedação devem evitar dirigir, manusear máquinas ou realizar outras atividades que exijam atenção. “Por isso o paciente que faz uma endoscopia deve, obrigatoriamente, estar acompanhado por outra pessoa legalmente capaz, que será responsável pela condução do paciente de volta a seu lar em segurança”, completa.

O médico especialista em Medicina do Tráfego, e diretor científico da Associação Mineira de Medicina do Tráfego (Ammetra), Alysson Coimbra, diz que outros procedimentos e medicamentos também podem afetar diretamente a capacidade do motorista dirigir em segurança e aumentam as chances de ocorrência de acidentes de trânsito. “O uso de antidepressivos, ansiolíticos, sedativos, antialérgicos, anticonvulsivantes, analgésicos opioides e medicamentos que reduzem a glicose no sangue podem provocar efeitos como sonolência, alteração da atenção, redução dos reflexos e aumento do tempo de reação”, explica.

Segundo o especialista em Medicina do Tráfego, os efeitos variam entre indivíduos e dependem da dose. “Não é incomum a ocorrência de efeitos colaterais após o início de uso de algumas medicações orais e subcutâneas, então costumamos contraindicar a direção veicular por até duas semanas, em média, para permitir a adaptação do paciente ao tratamento, zelando assim por sua integridade física e da coletividade”, completa.

Coimbra reforça a importância de seguir as recomendações médicas sempre que o motorista iniciar algum tratamento e aguardar a reavaliação com o profissional que prescreveu a medicação para voltar a dirigir em segurança. “Da mesma forma, pacientes que fazem hemodiálise não devem dirigir antes e imediatamente após serem submetidos ao tratamento”, afirma Coimbra, que foi um dos autores da diretriz da Associação Brasileira de Medicina do Tráfego (Abramet) sobre doença renal crônica dialítica e condução veicular.

Fator humano

Segundo entidades que atuam na segurança viária, fatores humanos, como sonolência, desatenção e comportamentos imprudentes, são responsáveis por cerca de 90% dos sinistros de trânsito. “O cuidado com a saúde física e mental é fundamental para garantir a segurança de todos no trânsito, por isso existem avaliações médicas e psicológicas regulares, previstas em Lei, durante o processo para obtenção e renovação da Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Além de avaliar a aptidão para dirigir, esses exames ajudam a detectar precocemente muitas doenças e agravos, sendo para muitos brasileiros, a única oportunidade de contato com um profissional da saúde”, completa Coimbra.

Comentarios