Rodovia BR-262 não será mais privatizada e não terá pedágio

O Governo federal alterou a proposta do programa de concessão das rodovias federais em Mato Grosso do Sul e só vai implantar pedágios na BR-163. A nova proposta, que será apresentada hoje pela ANTT (Agência Nacional de Transporte Terrestre), reduz os investimentos de R$ 11,2 bilhões para R$ 6,5 bilhões e aposta em queda de 16,9% no valor dos pedágios, de R$ 9,54 para R$ 7,92, em média, a cada 100 quilômetros.

O Ministério dos Transportes só decidiu manter a privatização da BR-163 e excluiu os trechos da BR-262, entre Campo Grande e Três Lagoas, e da BR-267, entre Nova Alvorada do Sul e São Paulo. O total a ser privatizado cai de 1.423 para 847,2 quilômetros. As duas rodovias foram excluídas por falta de viabilidade econômica.

Com a mudança no projeto, o valor do pedágio a ser pago pelos motoristas será 16,9% menor, em média. O menor valor passará de R$ 6,90 para R$ 5,70, enquanto a maior taxa oscilará de R$ 10,60 para R$ 8,80.

O projeto prevê implantação de pedágios em nove praças, contra a proposta anterior de 16 praças no Estado. O número de municípios contemplados com a duplicação das rodovias federais cai de 29 para 20.

Segundo a ANTT, o vencedor da concessão para explorar a BR-163 terá que fazer investimento de R$ 6,5 bilhões. O maior investimento será na duplicação da rodovia, que deverá atingir 209,7 quilômetros em cinco anos. A partir do 6º ano da concessão, o grupo deverá iniciar a implantação da terceira faixa no trecho duplicado.

O novo projeto prevê 16 passarelas, três acessos, dois trevos e 13 retornos operacionais ao longo dos 847,2 quilômetros da BR-163.

A rodovia registra 66,4 mil veículos por dia. A taxa de retorno interna do vencedor do certame será de 7,2% e a concessão será pelo período de 30 anos.

Comentarios