MST estima distribuir mil toneladas de alimentos até quinta-feira (06)

Até o momento, o MST doou 700 toneladas de alimentos oriundos de assentamentos, acampamentos e cooperativas. (Foto: MST-MS)

MST estima distribuir mil toneladas de alimentos até quinta-feira (06)

Ação faz parte da Campanha Natal Sem Fome que beneficia famílias em situação de insegurança alimentar

Redação Chico da Boleia

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) estima distribuir, até a próxima quinta-feira (06), mil toneladas de alimentos para famílias em situação de fome e insegurança alimentar nas periferias urbanas e rurais do país.

Até o momento, o MST doou 700 toneladas de alimentos oriundos de assentamentos, acampamentos e cooperativas. A ação faz parte da campanha Natal Sem Fome que, este ano, ainda conta com a colaboração de centrais sindicais como a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e a Força Sindical.

Segundo o Movimento, parte dos alimentos já foram distribuídos em forma de cestas básicas, marmitas e ceias populares para cerca de 30 mil pessoas em todo país. E as doações continuam até quinta-feira (06), data na qual são encerradas as ações da edição natalina da campanha do MST: “Cultivando Solidariedade para Alimentar o Povo”.

– O MST vê a solidariedade como um princípio indispensável para nossa organização popular de luta pela terra e Reforma Agrária. Então, nesse sentido, a solidariedade para nós é tida como uma virtude e sobretudo como um princípio indispensável. E é nesse sentido que nós queremos atuar, trabalhar, desenvolver essa campanha do Natal Sem Fome, realizando na prática esse princípio do MST que é a solidariedade de classe – explica a dirigente nacional do MST no Rio de Janeiro, Marina dos Santos, fazendo uma distinção entre “caridade” e “solidariedade de classe”.

David Zamory, da direção estadual do MST em São Paulo, salienta que as doações solidárias contra a fome não resolverão por si só este problema social, pois é preciso que haja vontade e gestão política capaz de reverter tal realidade, mas que essas ações emergenciais se somam a uma resposta do Movimento e da classe trabalhadora organizada em um pacto nacional contra a fome.

*Com informações do MST

Comentarios