Estrada, drogas e sono: uma combinação perigosa e irresponsável!

O papo hoje é sério e afeta quase todos os caminhoneiros que conheço.

Não é novidade pra ninguém o fato de que o dia-a-dia do trabalho na boleia é pesadíssimo! Os caminhoneiros são mal remunerados, não recebem da sociedade o reconhecimento que merecem e trabalham por horas a fio sem parar. Os patrões cobram o tempo todo para que o motorista chegue ao destino na hora marcada. Dorme-se mal, nos alimentamos da maneira errada e, ao longo da nossa vida profissional, adquirimos vários problemas de saúde. Falando assim parece que a profissão de caminhoneiro não tem nenhuma vantagem! Porém, contrariando todos os fatores que nos afetam negativamente, há quem ainda insista nessa profissão e trabalhe duro para entregar a carga na data certa, na hora certa e no local certo.

Acontece que, na maioria das vezes, é necessário sacrificar o próprio corpo para conseguir dar conta de tanto trabalho. O sono é o primeiro a ser negligenciado pelos caminhoneiros. Na necessidade de se cumprir prazos, muitos colegas de estrada fazem uso de medicamentos e drogas para se manterem acordados a noite toda. Tal realidade, afeta toda uma categoria e tem aumentado os índices de acidentes, multas e também doenças em caminhoneiros.

A droga mais usada pelos caminhoneiros é o rebite.  De acordo com uma pesquisa feita pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, 30% dos caminhoneiros usam remédios à base de anfetaminas para inibir o sono. Sandra Pillon, coordenadora da pesquisa, aponta que o uso frequente desse tipo de medicamento pode trazer consequências sérias ao organismo, como a perda de reflexos essenciais para a profissão.

Várias horas de trabalho combinadas com o uso dessas drogas podem causar acidentes. Em 20 de setembro do ano passado, um motorista de caminhão atropelou seis funcionários de uma empresa de recapagem que trabalhavam em um trecho da Rodovia Anhanguera. O motorista, confessou que dirigia há 20 horas seguidas e que fez uso de 8 comprimidos inibidores de sono. A imprudência causou 5 mortes e um ferido.

Os efeitos dos rebites são vários. A pessoa que ingere tal medicamente perde o sono, o apetite e se sente mais disposta a realizar tarefas. Quando o efeito se vai do organismo vem a sensação de cansaço extremo, já que a droga fez com que seu corpo reaja acima de sua capacidade, exercendo esforços excessivos. Além disso, a pessoa se sente deprimida e sem energia (astenia), o que prejudica o usuário física e psicologicamente, já que ele não consegue realizar tarefas que normalmente realizaria. Por isso, o consumo dos rebites pelos caminhoneiros pode causar, inclusive, um aumento no índice de depressão entre esses trabalhadores.

As anfetaminas também causam efeitos no corpo. As pupilas ficam dilatadas, o que pode prejudicar a visão da estrada durante a noite e o usuário fica com taquicardia, ou seja, aumentam os batimentos cardíacos e a pressão do sangue. Além disso, quando as anfetaminas são tomadas constantemente, o corpo acaba criando certa resistência aos seus efeitos. Por isso, o efeito desses remédios é cada vez menor fazendo com que o usuário aumente, gradativamente, a dose. Quem toma a droga há muito tempo e interrompe o uso pode também apresentar sinais de abstinência, como depressão profunda.

É muito importante pensarmos nos efeitos das drogas em nosso organismo. Mesmo os medicamentos legalizados e de uso permitido, devem ser sempre consumidos com prescrição médica e em caso de real necessidade. Você aí que curte tomar um remedinho sempre que sente qualquer dor aqui ou alí, pode estar fazendo mal ao seu corpo. A melhor cura para dores no corpo e stress é realmente uma boa alimentação e a prática de atividades físicas.

Amigo, como frisei anteriormente, tenho plena consciência do dilema que é trabalhar como caminhoneiro neste país! Pouco tempo para a entrega, má qualidade de vida no trabalho e um frete horrível. Entretanto, não podemos negligenciar nossa vida e a vida das outras pessoas. É preciso mostrar aos patrões que o nosso corpo não é capaz de trabalhar horas sem descanso. Um bom avanço sobre isso é a Lei do Motorista que apesar de conter alguns pontos contraditórios, obriga o descanso e as noites de sono (Veja aqui um vídeo sobre o assunto). Tudo isso pode melhorar a qualidade e a produtividade do caminhoneiro no dia-a-dia.

Se você ainda acha que tomar um rebite de vez em quando não faz mal a ninguém, sugiro que se aposente e pare de colocar a sua vida e a das outras pessoas em risco!

Fazer uso de medicamentos e outras drogas para ficar acordado, é, no mínimo, irresponsável e antiético. Se quisermos realmente ser valorizados pelo serviço que prestamos, precisamos mostrar à sociedade que somos pessoas sérias e comprometidas com nosso trabalho. Quanto aos patrões, sugiro que os colegas de trabalho se organizem para uma conversa e apontem os problemas e riscos de não se ter mais tempo para realizar uma entrega. Caso o patrão seja inflexível com a conversa, recorram a um sindicato ou entidade representativa. Somos uma categoria e devemos nos unir para melhorar as condições do nosso trabalho.

Antes que eu me esqueça, se você conhece algum colega que faz uso de drogas durante o trabalho, converse com o fanfarrão e explique para ele os problemas de tal atitude. A mudança deve começar por nós mesmos!

Forte abraço e bom feriado!

O Chapa!

Comentarios