Colesterol: é preciso conhecer para controlar

Exame deve começar antes dos 10 anos e ser repetido periodicamente ao longo da vida 

O colesterol alto, que aumenta o risco de doenças cardiovasculares, não apresenta sintomas. Esse é um dos motivos para essa doença ser tão perigosa. Mas se ele não causa sintomas, qual a forma de saber como está nosso colesterol? Controlar. “Por isso é tão importante dosar”, destaca o cardiologista Andrei Sposito, membro do Comitê Científico do Instituto Lado a Lado pela Vida.

E esse controle é importante em todas as fases da vida. Andrei Sposito explica que a primeira dosagem deve ser feita até os 10 anos de idade. “Se estiver normal, a pessoa deve repetir aos 20 anos, quando já passou da puberdade. E se continuar normal, repetir a cada 10 anos”.

Para quem tem qualquer aumento nos índices, um risco mínimo, o cardiologista indica repetir a cada cinco anos. “Se o risco for maior, com complicações, é preciso fazer o exame anualmente”, diz. O exame pode ser solicitado pelo clínico geral.

Segundo Sposito, o colesterol começa a aumentar a partir dos 11, 12 anos e segue até atingir um patamar aos 18 anos. “A mulher tem pico de elevação quando entra na menopausa”.

O perigo do colesterol para o coração é que ele acaba gerando a aterosclerose. “Essa doença forma placas nos vasos, que gera uma oclusão, faltando sangue naquela região. O que causa o infarto, por exemplo”.

Quais as metas?

O cardiologista informa que as metas para o colesterol não são iguais para todas as pessoas – são ajustadas de acordo com a gravidade e a situação de cada caso. Quanto mais doente, menor deve ser o índice do LDL (chamado colesterol ruim). “Precisa avaliar um conjunto de condições do paciente, junto com a gravidade do quadro de aterosclerose”.

Via de regra há indicações de deixar a soma do LDL+ HDL (chamado colesterol bom) menor que 200 mg/dl. Esses índices vão variar de acordo com o estado de saúde de cada um.

Quem já teve alguma doença cardiovascular é considerado de muito alto risco e deve manter o LDL menor que 50 mg/dl. Quem tem fatores de risco associados, considerado de alto risco, precisa ficar abaixo de 70 mg/dl. Para o risco intermediário, o índice máximo é de 100 mg/dl e pessoas de baixo risco têm recomendação de não ultrapassar 130 mg/dl nas taxas de LDL. Entre os fatores de risco estão diabetes, hipertensão e obesidade, além do histórico de doenças cardiovasculares.

Como controlar

O cardiologista explica que o primeiro passo para controlar o colesterol é ter uma alimentação saudável, não comer gordura em excesso e praticar atividade física. “Uma vez que se descubra um nível mais alto, conforme a meta determinada pelo médico, será necessária medicação”, diz Sposito. “Esse julgamento é feito pelo médico”.

Ele chama atenção para o fato de a alimentação influenciar de 10 a 15% no colesterol – o restante é determinado geneticamente, não só para pacientes que têm hipercolesterolemia familiar (HF – colesterol bastante alto por motivos genéticos).

 

Campanha

O Instituto Lado a Lado Pela Vida, que realiza desde 2014 a campanha Setembro Vermelho – Siga Seu Coração, conscientizando sobre doenças cardiovasculares, lança um movimento para divulgar informações sobre o colesterol.

A campanha 100 Colesterol – Você Conhece, Você Controla traz orientações sobre o tema, ressaltando a importância de as pessoas saberem as metas individuais e conhecerem seus índices, aprendendo como controlar.

O movimento envolve uma campanha digital e ações presenciais em agosto e setembro em todo o Brasil para ampliar o alerta à população. É possível saber mais na página da campanha.

Comentarios