Chico da Boleia e o Superintendente Helvécio Tamm, conversam sobre o novo Sistema Operacional da Autopista Fernão Dias

Circuito Fechado de TV (CFTV) - Foto: Matheus Moraes

No dia 24 de janeiro, a Autopista Fernão Dias inaugurou o Sistema Inteligente de Transporte e o Centro de Controle Operacional (CCO), em cerimônia oficial realizada na sede da concessionária, localizada na cidade mineira de Pouso Alegre.

Todo o Sistema conta com o Circuito Fechado de TV (CFTV) composto por 221 câmeras, distribuídas a cada cinco quilômetros de distância pela rodovia, aproximadamente. O Centro de Controle Operacional receberá as imagens captadas e, por meio de um software de computador, identificará as intervenções ocorridas na rodovia. Segundo a Autopista Fernão Dias, o sistema tem como principal objetivo tornar mais rápido e eficiente o atendimento aos usuários em caso de acidentes, infrações ou situações de risco.

O Sistema opera em seis cidades dos estados de Minas Gerais e São Paulo, possuindo três bases que operam pelo Sistema Meteorológico.

Chico da Boleia esteve conferindo a inauguração e conversou com Helvécio Tamm, Superintendente da Autopista Fernão Dias. Segundo o responsável, o CCO é importante pois cria um mecanismo capaz de centralizar as informações de tudo o que ocorre na Rodovia. Dentre elas, estão inseridas ligações para o “0800” e chamados de emergência, bem como as operações de ajuda.

De acordo com Helvécio, a grande vantagem de ter 221 câmeras operando, é a rapidez em liberar o recurso necessário para ajudar ao usuário. “A grande vantagem de um circuitou desse de televisão, do jeito que está aqui implantado, é que você consegue atender ao usuário com muito mais rapidez. E, consequentemente, no caso de acidente, você minimiza, e muito, o número de vítimas e de sequelas.”, concluiu.

Chico da Boleia e o Superintendente ainda conversaram sobre os acidentes que envolvem os caminhoneiros ao longo da rodovia. Através das câmeras será possível aperfeiçoar os atendimentos e auxiliar na resolução e na reconstituição dos acidentes, atribuindo, assim, as devidas responsabilidades que nem sempre devem recair sobre os companheiros da estrada.

Para conferir a entrevista na íntegra, acesse o link abaixo.

Redação Chico da Boleia.

Comentarios