Greve de motoristas de ônibus no Rio de Janeiro reivindica melhor salário e benefícios

Começou à meia noite desta sexta-feira (1 de março), mesmo dia em que a cidade completa 448 anos, a greve dos motoristas de ônibus no Rio de Janeiro. As zonas mais afetadas foram a Oeste, Centro, Ilha do Governador e Norte. Os trabalhadores reivindicam aumento salarial, fim do banco de horas extras, jornada de trabalho de seis horas e término da dupla função, quando o motorista faz também o trabalho de cobrador. A Rio Ônibus, que reúne as empresas rodoviárias municipais da cidade do Rio de Janeiro, entrou com uma ação na Justiça solicitando que a greve seja declarada ilegal e, por isso, suspensa.

Nesta manhã, cerca de sessenta ônibus das empresas Pégaso e Jabour, alimentadores do BRT Transoeste, foram apedrejados por grevistas quando deixavam as garagens localizadas em Santa Cruz e Campo Grande, respectivamente, na Zona Oeste do Rio de Janeiro.

Os usuários que dependem de transporte público enfrentaram dificuldades para chegar até o trabalho e às escolhas. Na Av. Brasil os pontos de ônibus, hoje pela manhã, estavam completamente lotados, pois a principal empresa que faz a ligação Central do Brasil – Zona Sul tinha piquetes nas portas para que nenhum ônibus circulasse desde as 4 horas da madrugada de hoje.

De acordo com a Secretaria Municipal de Transportes (SMTR), o BRT Transoeste, que liga Santa cruz à Barra da Tijuca, na Zona Oeste, opera com 22 ônibus articulados, sendo que a frota média é de 80 veículos. As linhas circulam apenas no corredor de ônibus expressos, sem as linhas alimentadoras nos bairros.

A Rio Ônibus entrou com um pedido na Justiça para que a greve mantida pelos funcionários seja declarada ilegal e suspensa. De acordo com a CBN, a Prefeitura do Rio de Janeiro determinou aos consórcios, por meio da SMTR, que coloquem a frota normal programada nas ruas da cidade. Segundo a secretaria, a greve é parcial e há um aumento gradativo dos veículos nas ruas da cidade.

Segundo o presidente do Sindicato Municipal dos Trabalhadores Empregados em Empresas de Transporte Urbano de Passageiros do Município do Rio de Janeiro (Sintraturb-Rio), José Carlos Sacramento, a paralisação continuará até o meio-dia no município do Rio de Janeiro, quando o sindicato realizará uma nova reunião para definir o andamento futuro da mobilização.

Diretora do Sindicato dos Rodoviários, Ângela Maria Lourenço diz que a greve, por enquanto, é por tempo indeterminado. “Estamos aqui lutando pelos nossos direitos. Nosso piso salarial e benefícios são baixos. Recebemos R$ 100 de cesta básica e ainda descontam R$ 20. Não sabemos ainda até quando será a greve, vai depender da avaliação e também das medidas que serão tomadas”, disse.

Apesar do caos instaurado na vida de trabalhadores e usuários que dependem do transporte público, a greve mostra uma realidade alarmante e vergonhosa na vida dos motoristas de ônibus do Rio de Janeiro. Salários muito aquém do que necessitam para sobreviver com dignidade e benefícios escassos são uma constante na vida desses profissionais que convivem, diariamente, com superlotações, um trânsito extremamente desorganizado e condições de trabalho perigosas já que algumas vias de rodagem, como a Linha Vermelha, tem um histórico bastante perigoso.

O que se espera é que um acordo seja negociado o mais rápido possível e que os ônibus voltem a operar normalmente. Isso dependerá, no entanto, de uma boa vontade que não parece ser tradição por parte dos contratantes.

Redação Chico da Boleia

Comentarios