A todos os caminhoneiros, uma homenagem ao dia dos pais

Nós, do Chico da Boleia, desejamos um dia dos pais de muito amor, união, paz e que Deus abençoe a todos.

A todos os caminhoneiros, uma homenagem ao dia dos pais

Nesta data tão importante, o Chico da Boleia traz mensagens daqueles que ajudam a moldar o país

Nada melhor do que estar com a família e comemorar todos os momentos juntos. Porém, para aqueles que trabalham nas estradas do Brasil, nem sempre essa realidade é possível, ainda mais nesse momento de crise, provocado pela pandemia da Covid-19.

A situação crítica mudou a rotina, tradições e comemorações presenciais. E, infelizmente, neste dia dos pais, nem todos poderão comemorar ao lado aqueles que amam.

Apesar das dificuldades, não podemos deixar de homenagear nossos pais, nossos heróis, amigos, que estão sempre ao nosso lado nos ajudando a caminhar, nos segurando quando caímos e nos levantando para seguirmos em frente.

Neste domingo especial, conversamos com alguns caminhoneiros para saber como irão celebrar a data e também entender como estão lidando com as dificuldades do período, e quais são suas expectativas para os próximos meses.

Em depoimento, o caminhoneiro Adauto Bernardo dos Santos conta que este ano passará o dia dos pais com a família. Ele, que tem um casal de filhos, revela que espera aproveitar bastante a data, mesmo sem poder sair de casa, para evitar aglomeração.

Completando 27 anos de estrada este mês, Adauto diz que o período é muito difícil para quem trabalha no setor. Além da preocupação constante com a higiene, houve queda na demanda de serviços. “Hoje em dia já não passo mais tanto tempo viajando e com a pandemia procurei serviço mais próximo de casa. Com isso, faturo menos, mas não me arrisco muito também”, destaca.

Questionado sobre as expectativas para os próximos meses, Adauto ressalta que não são muitas, pois no ramo no qual trabalha, em São Paulo, o cenário não é bom. “Mas o importante é que estou com minha família, tentando nos resguardar dessa doença. E esperar que as coisas melhorem e que Deus me ajude a pagar as contas. Nos resta esperar que o no ano que vem as coisas melhorem”.

– Aos companheiros de estrada gostaria de deixar um abraço, que Deus abençoe os que poderão estar com as famílias e os que não poderão também. E sempre que tiverem a oportunidade aproveitem muito, pois tudo que o que há de ruim tem seu lado bom, como essa pandemia que fez a gente refletir um pouco sobre a importância da família, dos amigos e de todos que sempre estão conosco. Um bom dia dos pais a todos – conclui Adauto.

Para o autônomo Marcelo Augusto do Nascimento, a data também será comemorada em família. Como trabalha durante a semana, costuma sempre estar em casa, aproveitando os finais de semana com os filhos. “Sempre fazemos uma reunião familiar, um almoço no dia dos pais”.

Apesar disso, Marcelo relata estar enfrentando muitas dificuldades devido a pandemia. Para ele, os locais de parada sofreram restrições e outros acabaram fechando, reduzindo as opções para os caminhoneiros.

O trabalhador também destaca a redução no valor pago pelo frete, mesmo não havendo queda na demanda. “Estou um pouco desanimado com o setor no momento, principalmente devido a diminuição no pagamento e também com a falta de assistência técnica, e de outros suportes”.

– Mas apesar de tudo, quero desejar a todos os caminhoneiros um feliz dia dos pais e lembrá-los que têm um Pai que está sempre presente, que é Deus. E que este mesmo Pai estará guardando e abençoando vocês que estarão nas estradas, suas famílias e todos que poderão comemorar juntos – conclui Marcelo.

Já o caminhoneiro Fernando José Gonçalves diz estar animado para a data, pois poderá passar com a família. “Confesso que muitas vezes passei na estrada, digo, na boleia. Mas este ano faremos um churrasco e, agora com a minha filha formada em nutrição, teremos umas guloseimas a mais”, relata, com orgulho! Fernando ainda conta que a reunião será na casa dos pais, junto com seus irmãos, cunhados, esposa e o casal de filhos.

– Passar longe de casa qualquer data, por mais dura que a pessoa seja, é depressivo, angustiante… Mas escolhemos cuidar para que não falte nada a ninguém. Isso é gratificante de modo que supre uma parte dessa falta da família, do aconchego de casa – revela Fernando.

O começo da pandemia também não foi fácil para o trabalhador que, em fevereiro, sofreu um acidente e, até o momento não pôde voltar a rotina. Com 32 anos de estrada, o caminhoneiro conta estar sempre em contato com os amigos de profissão e a maioria relata que o setor está bem devagar, comprometendo em até 35% do faturamento.

– Estou quase terminando o concerto do caminhão, nós temos serviço certo, logo não vou ter problema quanto a isso. Agora, com relação a economia, creio que a tendência é que se aqueça o mercado de maneira geral, com todos voltando ao trabalho, a produção retoma, as coisas vão se normalizando gradativamente e tudo volta ao normal – destaca Fernando.

Em homenagem ao dia dos pais, Fernando deixa uma mensagem aos colegas de profissão. “Eu quero que o Senhor Deus os abençoe e os guarde, e que faça resplandecer Seu rosto sobre vós e vos trate com misericórdia e bondade e amor, e vos dê a paz. Não importa quem você é ou sua classe social, ou se você é motorista de carro ou de um nove eixos, o que importa é que Jesus tem que ser pra mim e pra vocês o único e suficiente Salvador”.

Nós, do Chico da Boleia, desejamos um dia dos pais de muito amor, união, paz e que Deus abençoe a todos.

Comentarios