[VÍDEO] Especial TRANSJORDANO 20 anos

Chico da Boleia esteve presente na ocasião e pode conferir de perto as razões pelas quais a Transjordano é uma empresa de sucesso.

Consolidada e respeitada no mercado, a transportadora Transjordano completa 20 anos de atividades e de história. Para celebrar, a empresa realizou uma bela confraternização em sua sede, na cidade de Paulínia. Chico da Boleia esteve presente na ocasião e pode conferir de perto as razões pelas quais a Transjordano é uma empresa de sucesso.

Uma delas é justamente o comprometimento de toda a família, que engajada na qualidade de atendimento e excelência no transporte, tem sido responsável pelo crescimento da empresa no mercado. Por outro lado, os colaboradores e motoristas são sempre incentivados a trabalhar com carinho e respeito ao cliente. Confira na íntegra as entrevistas realizadas e conheça mais da Transjordano.

Chico da Boleia: Jordano, como é estar pilotando uma empresa que leva o seu nome e que seu pai começou há 20 anos?

Jordano Bessa: Para mim é motivo de muito orgulho, no começo quando ele colocou meu nome eu achei um pouco estranho, mas vindo para Paulínia e trabalhando em conjunto eu me sinto honrado pelo o que ele fez, ele colocou meu nome, mas também é uma homenagem para os dois filhos que ele tem, e hoje nós trabalhamos em conjunto. Eu cuido da parte comercial, estou muito nas estradas juntos aos motoristas, estou sempre privilegiando eles aonde eu vou e essa é a ideia continuar crescendo, criando sólidas parcerias com os seus clientes. Que venham mais décadas de trabalho.

CB: O que você considera o diferencial da Transjordano?

JB: Eu acho que é a nossa sólida parceria com o cliente e o fato de que estamos sempre buscando soluções em conjunto. Você vê que esse ano fizemos duas soluções, uma operação 24 horas com os motoristas trabalhando em turnos separados e a outra, que a gente criou com o cliente, foi o fato de ter um container, nós montamos uma operação itinerante com quatro camas e um banheiro, onde a gente pode levar para qualquer lugar esse container e os motoristas que estão nos caminhões, vão dormir neles e o motorista carregador vai carregar esses caminhões a noite. Mas o grande diferencial da Transjordano e um dos seus valores hoje é a segurança, é o respeito às leis de trânsito é a quantidade de treinamentos que a gente faz com os nossos motoristas, para que eles possam cada vez oferecer um trânsito seguro para todos.

CB: Bom, isso é um ponto importante porque a gente sabe e a história mostra que quem tem o sentimento de gratidão, cresce mais ainda. E hoje a gente viu aqui nesses 20 anos a empresa agradecendo aos seus colaboradores e principalmente ao seu time de motoristas.

JB: Segurança é igual ao que gente fala, nossa empresa ela vira um valor. É algo que o motorista incorpora dentro deles, e uma vez incorporado é incorruptível. Por isso que a gente investe em treinamento, em segurança, em campanha para que todos os motoristas, os antigos e os novatos, mantenham sempre a guarda alta e dirijam com segurança para o melhor de todos no trânsito, e sempre buscando zero acidentes.

Chico da Boleia: Em uma sociedade onde a mulher a cada dia se empodera, nós vamos conversar com a Joyce, que tem uma função muito importante dentro da Transjordano. Joyce, qual é a sua função hoje?

Joyce Bessa: Hoje eu sou responsável por toda a área administrativa financeira eu sou a diretora administrativa financeira, a gente cuida de todo BackOffice para que o motorista se sinta tranquilo na estrada.

CB: E hoje qual é a cereja do bolo no relacionamento e no tratamento com os seus colaboradores?

JB: Hoje a cereja do bolo para os nossos colaboradores é um tripé na verdade, respeito mútuo, confiança e trabalho em equipe. Hoje nós estamos trabalhando muito com eles em relação a isso. Quando nós temos isso, a gente tem uma equipe de alta performance, que é o que a gente está buscando, é o que nos trouxe até aqui e é o que vai nos levar por mais vinte anos ou por mais cem anos.

CB: A gratidão é uma coisa que você implementou, ou isso é uma coisa que vem do seu pai?

JB: Isso é uma coisa que vem muito da minha mãe, essa é uma coisa dela, que nos ensinou a ser gratos, tanto pelos dias difíceis como pelos dias bons. E nós implementamos isso na Tranjordano. Então eu acho que isso nos aproxima dos nossos colaboradores e dos nossos parceiros.

Publicidade:



Chico da Boleia: Já que o assunto também é segurança, vamos conversar com um Fábio Vieira, coordenador de segurança da Raízen, uma das parceiras da Transjordano. Fábio, o que a Transjordano representa em termos de segurança?
Fábio Vieira: É uma grande jornada e vem trazendo excelentes resultados para a Raízen, é uma transportadora hoje que possui uma grande exposição em nossas operações, faz operações importantes e tem conseguido alcançar resultados em segurança bastante satisfatório, como o acidente zero; e também tem contribuído com os seus motoristas para o rodeio de caminhões da Raízen, teve um dos finalistas agora, em maio desse ano, quando nós fechamos o nosso ano safra. Então tem ajudado a Raízen a contribuir com segurança no melhor nível que a gente tem em relação ao acidente zero. Então estar aqui privilegiando a Tranjordano é estar incentivando-os nessa jornada de segurança também.

Chico da Boleia: Vamos falar com Jorge Aguirre, gerente de contratação de frete da Raízen. Jorge, como está a agenda da Transjordano, contratá-los está difícil?

Jorge Aguirre: Acho que não Chico, a Transjordano tem uma no seu próprio DNA de empreendedorismo e de coragem e agilidade acima de tudo que são características muito próximas da nossa empresa. Então ao longo da história, pelo menos nesses vinte anos a gente tem pelo menos dez e doze anos trabalhando juntos com a equipe toda, tanto com a família, tanto com os profissionais que trabalharam conosco ao longo desse tempo, a gente sempre se entendeu e tem uma sintonia de fazer negócio bons para os dois lados. Não é à toa e isso eu posso compartilhar. Ela é uma das empresas que mais cresceu com a companhia nos últimos três a cinco anos e é um bom indicativo. Hoje também figura entre as cinco maiores empresas que tem operação com a gente. Então dá um bom indicativo da sintonia que existe no modo de fazer negócio da Raízen com a Transjordano e da Transjordano com a Raízen.

Chico da Boleia: Vamos conversar com a companheira que esteve ao lado do senhor João, fundador da empresa, a senhora Cândida. Como foi essa jornada?

Maria Candida Bessa, esposa de João Bessa: Foi uma jornada trabalhosa, mas cada etapa, cada conquista foi muito boa, por que a gente estava junto no mesmo projeto.

CB: E como é ver os filhos estar dentro desse projeto hoje?

MB: Para a gente é muita felicidade, é muita satisfação, porque nós começamos e eles eram jovens ainda, estavam estudando, fazendo faculdade e hoje a gente viu que eles abraçaram o negócio e a partir de agora vai ficar com eles.

CB: E aquele dito popular que diz que ao lado de um grande homem sempre tem uma grande mulher, é verdade?

MB: Eu acho que sim, por que na verdade esse sonho começou quando eu morava em Belo Horizonte e eu queria muito um apartamento de uma construtora. E o que aconteceu quando o apartamento ficou pronto ele falou: “Eu preciso vender o apartamento por que eu quero comprar mais caminhão”, e eu falei “ok” sem problemas, e aí que tudo começou.

Chico da Boleia: Agora vamos conversar com o empreendedor que começou toda essa história há vinte anos. Diz a lenda que ele chegou em lugar para comprar caminhão porque queria entrar na área de transporte e falou que não tinha dinheiro e que conseguiu comprar o caminhão, é fato?

João Guimarães Bessa, presidente da Transjordano: É verdade! A gente não tinha tanto dinheiro, mas eu tinha um nome de credibilidade e estávamos retornando, devo fazer menção também ao Luis Gambim, que antes era do banco Volvo, que acreditou na gente, pois fomos pra comprar somente seis caminhões e o dinheiro só dava para aquilo, porém acabei comprando doze. Ele foi um grande facilitador. Investimos desde aquela época, de 2002, até hoje, somando mil placas, sendo trezentos e cinquenta somente com frota própria e conjuntos e implementos para agregados. E graças a Deus temos credibilidade, temos valor para o transporte, acreditamos na crise, pois a crise para nós é oportunidade e não uma ameaça, sendo assim conseguimos comprar e garantirmos bem o serviço. Anunciei mais investimentos para janeiro de 2019 com mais cem unidades, se Deus quiser.

CB: Você disse bem, a crise ensina. São vinte anos, salvo pela minha memória, foram várias crises pelas quais o Brasil passou. Temos aí pela frente novo governo, nova política econômica e mais crise provavelmente, o senhor acredita que o crescimento continua na Transjordano?

JGB: Com certeza, pois o país é crescente, então temos essa filosofia de acreditar e nós temos que fazer a diferença, porque nós temos competência para trabalhar e desenvolver. E o governo tem que cuidar do social que é dar segurança, saúde e educação, pois este é o papel dele e o nosso papel é de produzir, gerar tributos e gerar empregos.

CB: Não tem muito o que falar, quando entrevistamos o Sr. João ele fala por nós, e é aquilo que a gente fala, buscamos a informação aonde ela acontece, isso evita fake news e buscamos com quem sabe, acabamos de demonstrar isto. Sr. João, queremos dar para você os parabéns pelos vinte anos. Que isto se multiplique em muitos mais, pois você é uma pessoa competente, trabalhadora e que merece muito. Parabéns!

JGB: Nós que ficamos felizes por tua presença com tua equipe também, que muito engrandece nosso evento e venha nos visitar mais vezes, sempre receberemos vocês. Um forte abraço, muito obrigado por ter vindo!

Comentarios